POLÍCIA

Repórter é preso e carros de emissoras de televisão são depredados no Rio de Janeiro

Só no Brasil existe essa falta de respeito
Só no Brasil existe essa falta de respeito

O repórter Bruno Amorim, do jornal O Globo, foi preso e agredido enquanto cobria a operação da Polícia Militar para a reintegração de posse de uma área da empresa de telefonia Oi, na cidade do Rio de Janeiro, nesta sexta-feira, 11.
Amorim registrava imagens com um celular quando foi imobilizado por policiais militares, com uma chave de braço, e teve os óculos arrancados por um PM sem identificação.

O repórter foi levado a uma delegacia e teve o telefone apreendido por mais de uma hora. A polícia ainda ameaçou de prisão outros jornalistas que acompanhavam a operação desde a madrugada. O repórter Leonardo Barros, também do jornal O Globo, foi ameaçado por PMs que o mandaram correr para não ser preso. Ele se negou e eles ordenaram que ele se afastasse para não ser preso por desacato, segundo seu relato.
A Abert, em nota, repudiou a prisão do repórter e o ataque aos carros das emissoras de televisão. Afirmou que a atitude dos policiais representa flagrante desrespeito à liberdade de imprensa e solicitou às autoridades a apuração sobre os excessos praticados pelos policiais.

“É extremamente preocupante o uso de métodos violentos empregados tanto pela Polícia Militar como por cidadãos civis, com o objetivo de impedir o trabalho jornalístico e privar a sociedade do acesso à informação”, disse a entidade. 

Com a morte do cinegrafista Santiago Ilídio Andrade, da TV Bandeirantes, atingido na cabeça por um rojão lançado por um manifestante, no dia 10 de fevereiro, no Rio de Janeiro, a Abert defendeu a adoção de um novo protocolo para atuação das polícias durante manifestações. “Esperamos providências que garantam a segurança dos profissionais de comunicação e também dos manifestantes”, disse, à época, Daniel Slaviero

No dia seguinte à morte do profissional. Em audiência com representantes da Abert e de entidades como: a Associação Nacional dos Jornais (ANJ) e Associação Nacional de Editores de Revista (Aner), o ministro da Justiça José Eduardo Cardozo afirmou que levaria aos secretários estaduais de Segurança Pública uma proposta de manual de conduta policial com o objetivo de evitar abusos e práticas ilegais durante os protestos.

Além da orientação às polícias estaduais, o Ministério elaborou um projeto de lei com medidas para coibir atos de vandalismo e crimes durante protestos e criou um GT para discutir treinamento para jornalistas.    

Artigos relacionados

Um Comentário

  1. FICA CADA DIA MAIS DIFÍCIL OS CIDADÃOS DE BEM EXERCEREM SUAS ATIVIDADES EM NOSSO PAÍS. AS PESSOAS SAEM NORMALMENTE PARA EXERCEREM SUAS ATIVIDADES E DE REPENTE SÃO SURPREENDIDAS DAS MANEIRAS MAIS ABSURDAS.SÃO MILHARES DE BANDIDOS QUE ATACAM AS PESSOAS, TOMAM O QUE TEM, ESPANCAM MATAM E FICA POR ISSO MESMO. O PIOR SÃO OS CASOS EM QUE A PRÓPRIA POLÍCIA QUE DEVERIA SALVAGUARDAR A POPULAÇÃO FAZ O PAPEL DE ESPANCADORA E EXTERMINADORA DA POPULAÇÃO TRABALHADOR. ISSO É LAMENTÁVEL. A GENTE FICA ASSUSTADA E SE PERGUNTANDO, ATÉ QUANDO TEREMOS QUE CONVIVER COM ESSA TERRÍVEL REALIDADE EM NOSSO AMADO BRASIL?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo