BEQUIMÃO

Pesquisadores da UFMA fazem mais coletas para estudo sobre saúde de idosos quilombolas de Bequimão

A equipe de pesquisadores da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), que está realizando um estudo sobre as condições de vida e saúde de idosos das comunidades quilombolas de Bequimão, coletou dados em mais dois povoados, Sibéria e Marajá, na última sexta-feira (20). A pesquisa é financiada pela Fapema e pelo CNPq, com apoio da Prefeitura de Bequimão, que mobiliza esforços das secretarias de Saúde, Assistência Social e Cultura e Promoção da Igualdade Racial. O prefeito Zé Martins definiu como uma das prioridades de sua gestão a melhoria da qualidade de vida nas comunidades remanescentes de quilombolas.

Desta vez, 17 idosos participaram das coletas, sendo três da comunidade Sibéria e 14 do quilombo Marajá. A ação ocorreu na Unidade Básica de Saúde do Areal. Seis estudantes do curso de Enfermagem da UFMA/Pinheiro e mais um estudante do curso de Educação Física coletaram sangue, fizeram eletrocardiograma, coleta do Swab (para diagnóstico e investigação de doenças), medidas antropométricas e medidas aplicadas à escala de depressão geriátrica.

Na primeira fase da pesquisa, realizada em 2018, foram levantadas informações a partir de questionários aplicados aos moradores com mais de 60 anos de idade, nas comunidades de Ariquipá, Suassuí, Sibéria, Pericumã, Juraraitá, Mafra, Santa Rita, Conceição, Ramal do Quidiua, Rio Grande e Marajá. Eles procuravam saber as condições socioeconômicas, demográficas, sanitárias, os comportamentos de saúde e as doenças que mais afetam os idosos de comunidades quilombolas.

Depois, os pesquisadores retornaram às comunidades para um novo encontro com os idosos e as idosas que haviam participado da primeira etapa do estudo, para coleta de sangue e de urina. Essas amostram foram levadas ao laboratório, com o objetivo de avaliar o hemograma completo, a glicemia de jejum, lipidograma completo, PSA (somente homens) ácido úrico, ureia, creatinina, TGO, TGP, EAS (sumário de urina). Depois de seis meses, a coleta será repetida.

 

A pesquisa é coordenada pelo professor Bruno de Oliveira, que atua no Curso de Medicina da UFMA – Campus Pinheiro e doutor em Saúde Coletiva, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Os trabalhos foram acompanhados pelos secretários Sidney Bouéres (Saúde) e Rodrigo Martins (Cultura e Promoção da Igualdade Racial).

A próxima ida da equipe a Bequimão será na sexta-feira (27), para um encontro com idosos da comunidade de Pericumã.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo