POLÍTICA

Ex-Prefeito de Peri-Mirim gastou mais de meio milhão de reais e não prestou conta no TCE

O ex-prefeito de Peri-Mirim, José Geraldo Amorim Pereira (PR), mas conhecido como Dr. Geraldo, vai precisar explicar ao Tribunal de Contas do Estado (TCE), o que fez com R$ 286.791,58 (duzentos e oitenta e seis mil, setecentos e noventa e um reais e cinquenta e oito centavos) que não foram contabilizados, mas foram apurados, segundo o órgão fiscalizador.

Além disso, Geral Amorim contabilizou sem comprovação, R$ 313.343,84 (Trezentos e treze mil, trezentos e quarenta e três reais e oitenta e quatro reais) que divergiu do enviado ao TCE/MA. Com isso, as contas do ex-prefeito Geraldo Amorim, foram desaprovadas pelo TCE relativas ao exercício financeiro de 2006.

G1G2

De acordo com informações repassadas pelo TCE, não houve movimentação financeira e os extratos não conferem com o relatório enviado. Segundo o órgão, a prestação de contas apresenta diversas falhas, tais como aquisições de medicamentos, gêneros alimentícios para merenda escolar, peças para veículos, entre outros objetos.

Para o Tribunal de Contas, Geraldo não tinha um controle desses bens, o que fragilizou sua prestação de contas. Com isso, a contabilidade do município de Peri-Mirim teve falhas patrimoniais. também não foi encontrado na prestação de contas do Fundef, a ata do Conselho de Acompanhamento e Controle Social (CACS) referentes aos meses de Fevereiro, Março, Setembro, Novembro e Dezembro daquele ano.

Além disso, a prestação de contas foi assinada por um contador sem vinculo trabalhista com a prefeitura de Peri-Mirim, o que infringe a lei de responsabilidade fiscal.

Estiveram presentes à Sessão, o presidente do TCE Raimundo Oliveira Filho, o relator Àlvaro Cesar de França Ferreira, Yêdo Flamarion Lobão, João Jorge Pavão, José de Ribamar Caldas Furtado, Melquizedeque Nova Neto (conselheiro substituto), os auditores Antônio Blecaute Costa Barbosa e Osmário Freire Guimarães, e o procurador Jairo Cavalcante Vieira, membro do Ministério público de Contas.

Se caso Geraldo Amorim não explicar o inexplicável, pode ficar inelegível para as eleições deste ano. Em suas duas gestões como prefeito, Geraldo teve problemas com sua prestação de contas, mas desta vez o caso é mais complicado do que o Doutor imagina.

#Matéria de Assessoria#

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo