casa » EDUCAÇÃO » Produtores, pesquisadores e estudantes discutem rumos da produção de mel na Baixada Maranhense.

Produtores, pesquisadores e estudantes discutem rumos da produção de mel na Baixada Maranhense.

COMPARTILHE

Cerca de 700 participantes, entre produtores, pesquisadores, especialistas e estudantes, estiveram reunidos na oitava edição do Encontro sobre Abelhas Nativas da Baixada Maranhense, realizado pela Universidade Estadual do Maranhão (Uema) em parceria com o Sebrae Maranhão, no período de 26 a 28 de novembro no município de São Bento.

O evento recebeu o apoio institucional da Agência Estadual de Pesquisa e Extensão Rural (Agerp-MA), do Senar, da Cooperativa Agroecológica do Mel na Baixada (Coamel), da Prefeitura Municipal de São Bento e discutiu os melhores caminhos para a produção do mel da abelha sem ferrão conhecida como tiúba, nativa da região. Na oportunidade, também aconteceu o I Encontro de Apicultura na Baixada Maranhense.

As atividades do encontro foram realizadas na Fazenda Escola da Uema, com uma vasta programação que incluiu palestras, oficinas e uma reunião da Câmara Estadual do Mel, tratando de temas comuns à atividade econômica, como modernização das técnicas de manejo, legislação sanitária, além da utilização de produtos advindos das abelhas na agricultura familiar, dentre outros.

Segundo o Prof. Dr. José de Ribamar Barros, que esteve na coordenação do evento, além das discussões teóricas, seis oficinas levaram os participantes a vivenciar as mais diversas práticas relacionadas à produção do mel da abelha tiúba, sem desviar o foco da sustentabilidade.

“São atividades que envolvem a meliponicultura e a apicultura e que se mostram como oportunidades no segmento, desde a utilização dos diferentes coletores para extração de mel; a culinária meliponícola; multiplicação de colmeias; produção de creme terapêutico e hidratante para os pés com mel e extratos naturais das abelhas; suplementação de alimentos proteicos alternativos para abelhas africanizadas e produção de mudas meliponículas”, disse o professor.

Durante a solenidade de abertura do evento, o diretor superintendente do Sebrae no Maranhão, João Martins, destacou a importância da meliponicultura e da apicultura como geração de riquezas para a região, reconhecidamente uma das mais pobres do Estado. “É uma atividade que dá retorno financeiro e exige pouco investimento, sendo alternativa para a criação de ocupação, emprego e renda para as pessoas que fazem parte da agricultura familiar, principalmente porque o mel dessa abelha tem mais valor agregado e, portanto, é vendido a um preço maior no mercado”, lembrou Martins.

Na Baixada Maranhense, a atividade começou a ser discutida há cerca de 15 anos e, para Martins, é possível verificar um avanço realmente significativo, tanto no manejo das colmeias quanto, principalmente, no conhecimento dos meliponicultores.

ATIVIDADE SUSTENTÁVEL E RENTÁVEL

A apicultura inclui a criação, o manejo da abelha e enxames, a extração e a comercialização de mel e seus produtos.  A atividade consolidou-se através dos tempos, principalmente, a relacionada à criação da abelha com o foco na produção de mel que é vista como prática sustentável e que gera um produto de alto valor nutritivo.

Nos últimos anos, a atividade ganhou destaque no mercado de comoditties e, de acordo com dados da Associação Brasileira dos Exportadores de Mel (Abemel), o ano de 2014 foi o melhor ano da exportação de mel brasileiro da história, ultrapassando as 25 mil toneladas e alcançando a cifra de U$ 98,576 milhões – algo em torno de R$ 380 milhões.

Esse resultado representa um crescimento de 82% em valor exportado na comparação com o ano de 2013 e expansão de 56% em termos de volume, garantindo ao Brasil a 8ª colocação entre os maiores produtores e exportadores do produto do mundo.

Com a criação das abelhas, além do mel, é possível explorar produtos como pólen apícola, geleia real, abelhas rainhas, cera, própolis e a apitoxina – que é o veneno das abelhas, que tem valor comercial por causa das propriedades anti-inflamatória, analgésica, antidepressiva, imunomoduladora, hipotensora e antitumoral.

TEXTO: Gisele Amaral

Unidade de Comunicação e Marketing (UCM)

SEBRAE MA / WComunicação Assessoria

Contatos: (98) 8807 4575 / 3133 5910

facebook.com/Sebrae MA

twitter.com/@Sebrae_MA

instagram.com/sebraemaranhao

 

Sobre João Filho

Comentar

Seu endereço de email não será publicado.Campos obrigatórios são marcados *

*

x

Além disso, verifique

Vereadora Fátima Araújo leva estudantes do “Educar para Vencer” para a Feira do Livro

Uma das maiores incentivadoras da educação básica, a vereadora Fátima Araújo tem feito um trabalho ...

Alunos do projeto Educar para Vencer voltam às aulas

Os quase cem alunos matriculados para as aulas de reforço escolar do projeto Educar para ...

Câmara aprova projeto que amplia horário dos postos da bilhetagem eletrônica em São Luís

De autoria do vereador Raimundo Penha (PDT), o projeto de lei nº 155/17 já foi ...

Prêmio Estácio de Jornalismo distribui R$ 125 mil reais

Inscrições vão até 5 de julho Ainda há tempo para jornalistas de todo o Brasil ...

Curso do seu Sonho na Faculdade Estácio São Luís

Um sonho cada vez mais real e possível. É assim que o acesso ao ensino ...