casa » EDUCAÇÃO » Conheça a história de uma jovem Bequimãoense que já passou no quarto vestibular Consecutivo

Conheça a história de uma jovem Bequimãoense que já passou no quarto vestibular Consecutivo

COMPARTILHE
Regina Célia passando Férias da Faculdade em Belém/PA

Regina Célia passando Férias da Faculdade em Belém/PA

A estudante Bequimõense, Regina Célia Cantanhede França, de 26 anos, natural do povoado Suassuí, à 10 quilômetros da sede do município de Bequimão, tem motivos de sobra para sorrir. Dedicada aos estudos, Regina Célia, como é carinhosamente chamada pelos verdadeiros amigos e familiares, passou em seu primeiro vestibular, no ano de 2008 para o curso de ciência da computação na Universidade Federal do Maranhão (UFMA), onde ainda cursou cinco períodos. Mesmo fazendo um curso de graduação, Regina Célia não parou de fazer vestibulares, e em 2012 foi aprovada pelo PROUNI para o curso de Psicologia, da Universidade CEUMA onde dedica seu tempo integral durante o dia. Em 2013, a estudante desafiou os livros e conseguiu passar para Serviço Social e Geografia, na UFMA outra vez.

Em um bate papo com a futura Psicóloga, ela descreveu sua infância como muito rica, onde brincou bastante, nunca reprovou e ainda encontrava tempo para ajudar seus pais, que eram agricultores. Segundo a estudante de Psicologia, mesmo trabalhando na lavoura com seus pais, o seu principal objetivo era uma formação de nível superior e poder ajudar as pessoas que mais a ajudaram, a sua família.

Regina Célia se considera uma mulher guerreira e muito persistente, onde busca ser uma Psicóloga de referência profissional. De acordo com as palavras da estudante, ela diz que adora o que faz e só se arrepende de uma coisa, por não ter começado o curso há bastante tempo. Meiga e muito sensível, Regina Célia diz que está muito feliz no profissional, quanto no sentimental.

A futura Psicóloga começou sua carreira estudantil no povoado onde nasceu, e seu primeiro professor foi  justamente seu pai, Roberto França, que além de fazer o papel de Mestre, também era agricultor, por causa do salário da prefeitura que era muito baixo. Após concluir a 4ª série, Regina foi morar na sede do município de Bequimão, onde estudou até o 3º ano do segundo grau. Após a conclusão do 2º grau, Regina Célia fez um concurso da prefeitura e foi aprovada para o cargo de guarda municipal, mas não assumiu o cargo.

Sem outra opção para fazer, a jovem decidiu viajar para São Luís, onde trabalhou como babá, operadora de xérox e empregada doméstica, até passar em seu primeiro vestibular. Segundo Regina Célia, “se ela não fosse estudante de Psicologia, seria certamente estudante de Psicologia” já que essa é sua maior paixão, a grande prova disso, é que ela largou  ciência da computação faltando 17 disciplinas para concluir o curso.

Como Corinthiana ranzinza, Regina Célia diz que já tomou decisões precipitadas e se arrepende até hoje. Regina disse que se tivesse que fazer algo pelo Brasil, faria projetos sociais em prol das crianças e adolescentes, que livrariam das drogas, gravidez na adolescência e da criminalidade geral.

Além de tantas felicidades, a estudante de Psicologia afirma que a maior é estar com Deus, a quem ela deve sua vida e seu grande sucesso. Como ainda não trabalha, só estuda, Regina diz que espera em um futuro bem próximo, ser ainda mais feliz, vendo a felicidades de seus pacientes.

Perguntada pela reportagem deste blog se fosse para ela condenar alguém, quem ela colocaria na cadeia, Regina não pensou muito e citou aqueles que fazem mau uso do dinheiro público, contribuindo assim para a miséria do Brasil. Segundo a estudante, são esses e outros motivos que a faz ser antipolítica e detestar o assunto. Assim como a política, Regina também é anti flamenguista e disse que rebaixaria o rubro-negro carioca, se tivesse poder para isso.

Como a falta de honestidade é o principal verme do país, Regina acha que isso ocasiona a corrupção e atrapalha o desenvolvimento do Brasil através dos políticos. De acordo com a estudante, os grandes veículos de comunicação do país são de políticos e acabam manipulando as informações, maquiando os fatos para serem beneficiados futuramente. Mesmo detestando política, Regina Célia disse que seria mais honesta ainda, qualidade que muitos políticos desconhecem além de fazerem tudo a seu próprio beneficio.

Questionada sobre a pena de morte, a estudante foi categórica em afirmar que é a favor, devido ao grande número de crimes cometidos no Brasil, sem a devida punição adequada. Para finalizar a entrevista ao blog do João Filho, Regina Célia disse que mesmo já tendo realizado alguns sonhos, outros ainda estão por realizar e serão conquistados com muito suor. E para concluir a conversa, a jovem citou a seguinte frase: “O desejo de vencer terá que ser superior as dificuldades”.

 

 

Sobre João Filho

4 comentarios

  1. orgulho de vc célia..parabens e muitas conquistas..

  2. fico feliz amiga parabéns que deus continue dando sabedoria

  3. parabéns Célia, ficamos felizes pelas suas conquistas, só vence quem luta só chega em algum lugar quem caminha, vc tá chegando porque acreditou em vc mesma.sucesso.

Responder a diana Eliminar comentario

Seu endereço de email não será publicado.Campos obrigatórios são marcados *

*

x

Além disso, verifique

IESF abre inscrições para vestibular

O Instituto de Ensino Superior Franciscano – IESF está com inscrições abertas para o vestibular ...

Indicação da vereadora Fátima Araújo solicita ao governo do Estado construção de creche no Pirapora

Em sessão ordinária realizada nesta segunda-feira (11), no Plenário Simão Estácio da Silveira, da Câmara ...

Vereadora Fátima Araújo leva estudantes do “Educar para Vencer” para a Feira do Livro

Uma das maiores incentivadoras da educação básica, a vereadora Fátima Araújo tem feito um trabalho ...

Alunos do projeto Educar para Vencer voltam às aulas

Os quase cem alunos matriculados para as aulas de reforço escolar do projeto Educar para ...

Câmara aprova projeto que amplia horário dos postos da bilhetagem eletrônica em São Luís

De autoria do vereador Raimundo Penha (PDT), o projeto de lei nº 155/17 já foi ...