casa » Arquivos do Altor: João Filho (página 318)

Arquivos do Altor: João Filho

Bequimão levanta a Taça de Master

COMPARTILHE

hhhhh

A Seleção de Bequimão conquistou o título da Copa da Baixada Super Máster. Na grande decisão disputada no último sábado (11) no estádio Costa Rodrigues na cidade de Pinheiro, a seleção de Bequimão empatou no tempo normal com a Seleção de Cururupu em 0x0 e nas disputas de pênaltis, Bequimão levou a melhor e venceu pelo placar de 4×2. Com isso, os coroas conquistaram o segundo título da competição.

A Copa Super Máster contou com a participação das Seleções de Mirinzal, Pinheiro, Palmeirândia, Bequimão, São Bento e Cururupu. Em disputa, Bequimão chegou a final e levantou o caneco.

A competição contou com o apoio do presidente da Federação Maranhense de Futebol (FMF), Antonio Américo, que ofertou o troféu para o campeão do torneio. Além do troféu, os jogadores foram premiados com medalhas.

Ferry Boat: A estrada da exploração

COMPARTILHE

F2

Quem já viajou, ou precisa viajar constantemente para as cidades localizadas na região da Baixada Maranhense, já sabe o que é uma Exploração ao atravessar a baía de São Marcos através do serviço de ferry-boat, ainda mais em período de feriados prolongados. A travessia se tornou uma porta de entra e sai da criminalidade. Começando pela venda de passagens, que o bilheteiro se quer pergunta o apelido do passageiro, imagina o nome completo que na maioria das vezes é formado por três palavras. As passagens são vendidas em atacado e varejo, sem nenhum controle como manda a lei. Não ha fiscalização de forma alguma, apenas verificação de CNH e documento do veículo. Qualquer um pode transportar contrabando, não há preocupação das autoridades. Qualquer criminoso pode viajar via ferry-boat, não ha controle. É fato! E ai vem o gerente de terminais externos da Emap, Glauco Vaz e vem mentir em nota. É muita cara de pau! Peroba nele!

Os usuários-consumidores penam com o caos e consequente estresse causado pela falta de organização e planejamento, inclusive na venda de passagens, uma verdadeira bagunça no embarque e desembarque de passageiros. Com os automóveis, as filas são imensas nos dois sentidos (Itaqui/Cujupe/Itaqui).  Enfim, a mais completa balbúrdia no que diz respeito ao atendimento ao cliente, principalmente quando a máfia das passagens atua nos dois sentidos. O vice-prefeito de Pinheiro, a maior cidade da Baixada, fez um desabafo pela rede social do Facebook sobre o (Des) serviço do ferry-boat. Sem contar, que a passagem aumentou quatro vezes só em 2014 e não teve um deputado corajoso para brigar pelo povo.

F3F4F1

Essa questão do serviço do ferry-boat é muito parecida como a crise do sistema de transporte público em São Luis, ou seja, precisa haver a devida coragem das autoridades públicas para enfrentar e superar os problemas, que passa igualmente pela licitação para democratizar a concessão do serviço e quebrar o monopólio em vigor. Este ano, colocaram um Ferry novo e adaptado aos cadeirantes, mas isso não basta. Com uma passagem que custa R$ 11,00 reais, deveria no mínimo ter um transporte de qualidade.

É mais uma questão para o Governo do Estado pautar o quanto antes, caso contrário essa situação caótica tem tudo para respingar na popularidade de Flávio Dino, que diga-se de passagem, é muito boa na região da baixada.

O Fórum em Defesa da Baixada promete fazer uma ampla campanha para pressionar por melhorias substanciais nos serviços prestados pelo ferry-boat, hoje considerados pelos usuários, com o perdão da palavra: “Uma Merda”!

Os tais acordos feitos pelo Ministério Publico (MP) com os donos e responsáveis pelos Ferry’s – para melhorias e contra os abusos – não estão dando resultados. Uma denuncia que teria sido encaminhada à Corregedoria do (MP) quer saber se promotores e juízes que trabalham na Baixada estariam sendo beneficiados com passagens e regalias de fura filas nos Ferrys-Boats?

A denuncia já estaria sendo investigada. Seria por isso que os donos dos Ferry’s não estariam respeitando as medidas acertadas? Com à palavra os promotores e juízes! Se esse governo não perder o arquivo com as promessas e quiser mudar mesmo esse Maranhão, com certeza acabará com esse vergonhoso monopólio. O pior de tudo, é que tivemos um deputado estadual eleito e filho da baixada, durante 8 anos na assembleia e nada fez. O único político maranhense que comprou a briga e mostrou seu sangue baixadeiro, foi o Radialista José Raimundo Rodrigues, que como deputado peitou os empresários.

 

Vereadores representam a Câmara em evento do governo

COMPARTILHE

PPP

Os vereadores Ivaldo Rodrigues (PDT) e Professor Lisboa (PC do B), foram os representantes do legislativo municipal durante apresentação dos cem dias de gestão do governo Flávio Dino. O evento aconteceu na manhã desta sexta-feira (10) no Palácio Henrique de La Roque no bairro do Calhau, em São Luís.

Como vice-líder do governo na câmara, o vereador Ivaldo Rodrigues ao lado do companheiro de parlamento, professor Lisboa, parabenizou o governador pela parceria com o município, ambos marcaram presença nas primeiras fileiras durante o evento.

Segundo Lisboa o governo tem trabalhado e se dedicado dia a dia em prol das melhorias no Estado. Para o vereador do PCdoB, o Brasil acompanha com expectativa o desenvolvimento promovido por Flávio Dino. Fato que é natural, afinal o país estaria segundo a avaliação do parlamentar, querendo fazer uma comparação das diferenças entre o governo de Roseana Sarney e a gestão de Flávio Dino.

“O povo brasileiro também quer ver essa diferença de um governo que comandou o maranhão durante cinquenta anos e um governo de apenas cem dias”. Para Lisboa as cobranças são indevidas. “É preciso observar; só os cegos, voluntariosos é que não querem ver o que tem feito o governo Flávio Dino, que tem agido com seriedade” – finalizou o vereador do PCdoB.

Blog da Rose Castro

 

Othelino emplaca Antônio Diniz no governo Dino

COMPARTILHE

AD

O governador do Estado, Flávio Dino (PCdoB), confirmou na ultima terça-feira (07), mais uma indicação do deputado estadual Othelino Neto (PC do B) para a Regional de Pinheiro. Othelino, agora cidadão pinheirense, mantém fortes laços com o grupo político que apoia a candidatura do vereador e suplente de deputado federal, Leonardo Sá, a prefeito de pinheiro nas eleições de 2016 e emplacou mais um aliado no governo. Desta vez, o sortudo foi o ex-prefeito de Bequimão, Antônio Diniz Braga Neto (PDT), que vai comandar a Regional da Saúde na baixada.

Mas o nome indicado por Diniz para Gestor Regional da Saúde de Pinheiro é Janderson Gonçalves Gusmão (PDT) que foi candidato a vereador no município de Bequimão em 2012 e apoiou Diniz para prefeito. O nome foi apresentado ao deputado Othelino pelo ex-prefeito do município de Bequimão, Antônio Diniz, aliado do deputado na Baixada. Das indicações de Othelino para Regional Pinheiro, faltam apenas duas nomeações, o CIRETRAN e  CAEMA.

JAND

Othelino, um dos deputados mais atuantes na Assembleia Legislativa do MA, que ocupa interinamente a presidência da casa, sendo um dos mais próximos do Governador do Estado. O deputado usa da força de seu mandato para fortalecer e consolidar a candidatura de Leonardo Sá nas eleições de 2016 e afirma que o “Pededista” faz parte do projeto político de mudança que será abraçado pelo Governador Flávio Dino em todo Estado do Maranhão.”

Além da Regional de Educação, AGED, Viva, e agora Regional da Saúde, órgãos como 8ª CIRETRAN, CAEMA e direção do Hospital Macrorregional devem cair no colo do grupo político que apoiou o deputado Othelino em Pinheiro e são defensores da candidatura de Leonardo Sá em 2016.

Blog do Vandoval Rodrigues

 

Luciano Genésio toma bola nas costas

COMPARTILHE

LUU

O Governador do Estado, Flávio Dino, nomeou na ultima terça-feira (07), José Alexandre Oliveira Frazão, natural da cidade de Santa Helena, na baixada maranhense, chefe do Escritório Regional de Pinheiro da Agência de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (AGERP).

O órgão objetiva abranger a agricultura familiar, a pequena e a média agricultura, socializando as novas tecnologias e proporcionando assistência técnica intensiva e continuada, visando à diversificação, a integração, o aumento da produção e produtividade do setor agropecuário.

ST

A nomeação de José Alexandre para o cargo é uma indicação do prefeito João Jorge Lobato (PPS) do município de Santa Helena. AGERP é mais um órgão que o suplente de deputado estadual, Luciano Genésio, já teria franqueado aos aliados sem o consentimento do governo do estado.   O blog antecipou que a indicação para o cargo seria do prefeito Lobato (reveja aqui).

Nos próximos dias, o Governador do Estado deve nomear o diretor da 8ª CIRETRAN de Pinheiro, que já tem nome certo e o diretor da CAEMA, que também já tem nome definido, e mais uma vez prevalecerá à força do mandato do deputado Othelino Neto (PC do B), é aguardar e conferir.

Blog do Vandoval Rodrigues

 

 

 

Esta matéria foi excluída por ordem Judicial

COMPARTILHE

PROCESSO400-07.2016.8.10.0064 (4032016)

Camelôs: Os “Donos” da Rua

COMPARTILHE

 P1

“Às vezes não conseguimos andar, nossas sacolas de compra se enroscam nas barracas, sem contar que a rua e a calçada têm o piso desigual, o que piora ainda mais nossa situação. Já até levei um tombo por causa de tantas coisas por cima das calçadas. Temos que disputar o nosso espaço com mercadorias, principalmente nas datas festivas. No fim da tarde tudo fica pior, se não bastassem os camelôs daqui, os coreanos tomam de conta da Rua Grande com suas bolsas e muambas, é um verdadeiro Deus nos acuda” – disse a estudante de Nutrição, Cristina Almeida, de 23 anos, quando fazia compras na Rua Grande.

Um verdadeiro compra, compra; corre, corre; atende daqui, atende dali, sempre de olho na fiscalização. O que se vê nas ruas do centro de São Luís, principalmente na Rua Grande, é gente vendendo de tudo nas portas das lojas. São tantos ambulantes que eles já ocupam até os espaços não permitidos pelo município. Segundo dados da Associação dos Vendedores Ambulantes e da Blitz Urbana, cerca de 10 mil camelôs trabalham espalhados em toda São Luís. Mas, 35% são cadastrados.

Tem gente se beneficia com essa correria do comercio informal. Algumas pessoas vão ao Centro só para comprar nas mãos dos ambulantes, como a estudante Luana Sousa, de 16 anos, que vê facilidade na hora de comprar nas mãos desses vendedores, pois segundo ela, os produtos são mais baratos. Ela sempre compra óculos escuros e diz que eles têm a mesma durabilidade dos que são vendidos nas lojas, só que tem uma diferença, eles são mais baratos e falsos, mas para Luana isso não importa, o importante é permanecer na moda.

Mas há quem reclame do espaço ocupado pelos camelôs. O cadeirante José Luís Fonseca, 32 anos, que reside no Saviana e trabalha no centro, reclama das dificuldades em transitar nas calçadas da Rua Grande. “Um emaranhado de mercadorias! Muitas vezes paro e fico analisando por onde vou passar se é por cima deles, se desço para rua e caio ou se vou pelo único espaço da calçada deixado pelos ambulantes, que ainda tem um buraco.” Enfatizou o cadeirante.

A Secretaria de Urbanismo e Habitação de São Luis estabelece um padrão para os vendedores atuarem. As telas, usadas para expor as mercadorias, devem ter 1,20M x 60 cm (Um metro e vinte por Sessenta) e as barracas 1,20M x 80 cm (Um metro e vinte por oitenta centímetros).  Mas muitos camelôs desobedecem a essa lei, como o vendedor Pablo Rodrigo, de 26 anos. Segundo ele, o número de telas é essencial para uma boa venda. Para ele, a prefeitura deveria padronizar e fiscalizar diariamente o comércio informal na Rua Grande, dessa forma as normas seriam respeitadas.

P3P2 P4

As ruas paralelas à Rua Grande também estão tomadas pelos ambulantes, nessas vias quase não dar nem para andar. Lá a pirataria rola solta; são CDs, DVDs, Jogos, Vídeo Games, roupas, óculos, celulares e etc… tudo a preço de banana. De acordo com o taxista José Reis que trabalha na Rua de Santaninha, esquina com a Rua Grande, o número de vendedores é maior pela tarde, a partir das 13h. Esses camelôs, por serem ilegais, agem com violência quando são questionados acerca dos locais escolhidos para comercializarem seus produtos.

A falta de oportunidade do mercado de trabalho é um dos principais fatores que contribui para o crescimento do comercio informal na capital. “Se eu tivesse um emprego melhor eu não estaria mais aqui sendo humilhado. A gente sofre, pega chuva e sol, e as pessoas (Blitz Urbana) ainda querem mandar no que é nosso.” Disse o camelô ilegal Ismael Silva.

Segundo o presidente da Associação dos Vendedores Ambulantes de São Luís, Ribamar Ferreira, os vendedores informais não cadastrados têm até o fim do ano para se cadastrarem junto à associação. Isso faz parte de uma parceria com a Blitz Urbana que tem o objetivo de contralar o comércio informal e combater o contra bando. Para Cristina Almeida, a legalização dos camelôs iria resolver o problema do Centro Comercial, pois eles teriam que se adequar ao padrão estabelecido pela prefeitura.

Mas mesmo antes da legalização, os ambulantes vão ser retirados da Rua Grande. Eles têm até o dia 15 de abril para sair, devido o início dos trabalhos de revitalização do local, mas reclamam por não saberem para onde vão ser remanejados.

O Projeto de Revitalização da Rua Grande visa reformar a Rua do Passeio e as praças Deodoro e Pantheon. A fiação das redes elétrica e telefônica será embutida e os postes serão retirados. Os paralelepípedos serão trocados por piso de granito e serão realizadas obras de drenagem profunda, com instalação de nova rede de esgoto. “É dar mais valor ao patrimônio público do que ao próprio cidadão”, disse o ambulante Pablo Rodrigues, em relação à retirada dos camelôs da Rua Grande para o inicio das obras do projeto. “Se o projeto for realmente implantado, eu vou poder chegar a qualquer lugar da rua grande sem ter que me estressar com ninguém”, disse o cadeirante José Luís Fonseca.

Enfim, daqui a alguns meses as pessoas poderão transitar livremente na Rua Grande sem tropeçar, sem cair, sem ouvir uma língua “portocoreana” e nem os gritos de “Olha o veneno pra rato, veneno pra rato, veneno pra rato… Pomada japonesa, pomada japonês… E ainda tem gel curador”.

Reportagem: João Filho e Tarcísio Brandão

 

Unihosp é condenada pela Justiça

COMPARTILHE

UNIHOSP

A Quinta Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA) manteve a decisão do juízo da 13ª Vara Cível da capital, que condenou a Unihosp (Serviço de Saúde Ltda), a pagar indenização no valor de R$10 mil reais, por não autorizar atendimento emergencial a uma criança (cliente) do plano de saúde.

O relator do processo, desembargador Raimundo Barros, entendeu que o juízo acertou em condenar a Unihosp a arcar com todas as despesas referentes à internação e tratamento da criança, além do pagamento pelo dano moral.

De acordo com os autos, a criança, em companhia da mãe, chegou à clínica UPC, no dia 05.12.2013, às 1h40, com crise de asma, e atingindo, em seguida, o quadro de insuficiência respiratória grave.

Ao ser atendida, foi diagnosticada com estado de sufocamento grave, necessitando de intervenção de urgência sob pena de agravamento do quadro e, até mesmo, correndo risco de morte.

Contudo, a clínica esclareceu que não poderia prestar o atendimento, pois o plano não cobria a ocorrência em face do não preenchimento da carência, sendo a mãe obrigada a submeter o tratamento do seu filho por meio particular.

Em sua defesa, a Unihosp alegou que o tratamento não ocorreu em razão da necessidade do cumprimento do período de carência por parte do usuário.

O relator ressaltou que a criança, por meio de sua mãe, firmou contrato de prestação de serviços de assistência médico-hospitalar, de natureza clínica, cirúrgica e obstétrica, exames complementares e serviços auxiliares de diagnose, terapia e cirurgia com tratamentos especializados, desde março de 2013 e estava adimplente com suas obrigações contratuais.

Reforçou o magistrado que a matéria deve ser resolvida sob a ótica das regras do Código de Defesa do Consumidor, vez que a prestadora do plano de saúde enquadra-se como fornecedora de serviços, enquanto a pessoa física como destinatária final, ou seja, consumidora, nos termos dos artigos 2º e 3º da Lei nº. 8.078/90. (Processo nº. 008138/2015)

Dia do Jornalista é comemorado na Câmara Municipal

COMPARTILHE

JON

O dia 7 de abril é comemorado o “Dia do Jornalista”. Na Câmara Municipal de São Luís, a data foi marcada por um café da manhã em homenagem aos profissionais que fazem a cobertura das atividades parlamentares na capital. A iniciativa da homenagem foi da Diretoria de Comunicação da Casa, que, pela primeira vez, comemorou o dia do profissional que leva a informação a toda sociedade.

Vereadores, que compareceram ao parlamento na manhã desta terça-feira (7), manifestaram votos de congratulações aos trabalhadores de imprensa e fizeram reconhecimento da atuação desses profissionais contribuindo para a divulgação da imagem do Legislativo para a população. Ao receberem a manifestação dos parlamentares, os homenageados agradeceram as palavras e mais uma vez reafirmaram o compromisso de trabalhar ética e seriedade como o mediador legitimado pela sociedade para transmitir as informações.

INSTITUIÇÃO DA DATA

 O Dia do Jornalista foi instituído pela  ABI (Associação Brasileira de Imprensa), para homenagear o médico e jornalista Líbero Badaró. O jornalista chegou ao Brasil em 1826 já com pensamentos a favor da liberdade. Três anos mais tarde fundou o periódico Observador Constitucional, no qual denunciava abuso de poder do Império, na época de D. Pedro I. Em novembro de 1830, foi assassinado por inimigos políticos, em São Paulo. Historiadores acreditam que a morte foi encomendada pelo imperador que em 7 de abril de 1831 abdicou.

A data ressalta a importância da liberdade de imprensa e da luta pelo direito de se expressar publicamente. Desta forma, a data apresenta controvérsias. Alguns falam que ela marca o Dia do Jornalista, também comemorada no dia 29 de janeiro. Outros afirmam que a data marca o Dia da Imprensa.

 

Texto: Alteré Bernardino

DIRETCOM/CMSL

 

Câmara de vereadores debate “Reforma Política” em São Luís

COMPARTILHE

H1

A câmara municipal de São Luís foi palco nesta segunda feira (6) de um grande debate sobre reforma política. A audiência publica foi realizada pelo vereador Ivaldo Rodrigues (PDT) que contou um grande público, entre políticos e sociedade organizada. Durante o evento, 18 vereadores estiveram presentes, entre eles: Bárbara Soeiro (PMN), Estevão Aragão (SDD), Sebastião Albuquerque (DEM), Edmilson Jansen (PTC), Baliseu Barros (PSDC), Josué Pinheiro (PSDC), Gutemberg Araújo (PSDB), Professor Lisboa (PCdoB), Rose Sales (PCdoB), Pereirinha (PSL), Chico Carvalho (PSL), Beto Castro (PROS), Marquinhos (PRB), Manoel Rêgo (PTdoB), Barbosa Lages (PDT), Pedro Lucas (PTB), Osmar Filho (PSB), Eidimar Gomes (PSDB) e Ivaldo Rodrigues (PDT) autor do requerimento.

A mesa diretora foi composta pelo presidente em exercício Chico Carvalho, que depois deu lugar ao vereador Josué Pinheiro e Pedro Lucas como primeiro secretário e Ivaldo Rodrigues segundo secretário em exercício. Também fizeram parte da mesa, o Secretário de São Luís, Severino Sales (representando o prefeito Edivaldo Holanda Junior), deputado federal Pedro Fernandes (PTB), Mário Macieira (Presidente da OAB-MA) e Dr. Emanoel  José Peres Neto Guterres Souza (Promotor de Justiça, representando o Tribunal de Justiça do Maranhão).

H1 H2 H3

Na abertura da audiência, o vereador Ivaldo Rodrigues, autor do requerimento que deu origem ao evento, fez uma explanação do termo “Reforma Política”. Sem economizar palavras, Ivaldo mostrou seu ponto de vista sobre o tema e mais uma vez disse ser a favor da reforma. “É preciso que a população participe desse debate. Se a sociedade está na rua, é porque está cansada deste modelo ridículo de fazer política no Brasil. Nosso país precisa de reforma urgente. Nós queremos que este debate seja discutido com toda sociedade e não só com a classe política. Vamos tratar de uma reforma séria, porque este país precisa de algo mais sério” – finalizou o vereador, que frisou ser contra o financiamento privado de campanha.

Já o deputado Federal Pedro Fernandes, deu uma aula sobre “Reforma Política”. Durante seu discurso, ele lembrou ainda de vários fatores que hoje motivam ainda mais a reforma política. Não dar pra comparar o Brasil que até com 470 anos de descoberta, tinha apenas 90 milhões de habitantes, hoje 45 anos depois, o Brasil aumentou sua população em 120 milhões de pessoas a mais. Nosso país hoje tem 212 milhões de habitantes, um dos pais que mais cresceu populacionalmente nos últimos 50 anos. O certo mesmo, é fazer uma verdadeira “Reforma” porque a população aumentou e o Estado brasileiro não é capaz de acompanhar o crescimento” – disse o deputado, que acrescentou ainda, que esta reforma não significa que as políticas sociais vão melhorar.

Enquanto isso, o presidente da OAB –MA, Mário Macieira, mostrou domínio de conhecimento de causa e disse que concorda em alguns aspectos, mas acha que muita coisa deve ser mudada. “Sou a favor do fim da reeleição e a Ordem dos Advogados do Brasil, defende as eleições de 2×2 anos. Assim o eleitor tem tempo para avaliar um candidato. Sou contra o mandato tampão e a favor de que devemos acabar com os suplentes de senadores. Quem deverá assumir em caso de ausência, será o terceiro ou quarto colocado nas eleições. É inadimisível um suplente assumir o cargo sem ser votado” – finalizou o presidente da OAB-MA.