casa » Archivo de Etiquetas: Igreja

Archivo de Etiquetas: Igreja

Rádio de alto-falante e o futebol nas memórias de Itapecuru-Mirim

COMPARTILHE
Publico hoje a crônica do economista Josemar Sousa Lima, que nos presenteia com um saboroso texto sobre a Voz Paroquial São Benedito, uma rádio de alto- falante que anunciava um clássico do futebol em Itapecuru-Mirim. O texto memorável passeia por vários personagens da cidade e conta um importante capítulo da comunicação popular que ainda hoje pulsa no Maranhão. Embora estejamos na era digital, persistem rádios de alto-falante e com caixas de som nos postes – as emissoras a cabo, a exemplo da Rádio Realidade, no bairro Santa Clara, em São Luís.
Veja abaixo o texto integral de Josemar Sousa Lima, publicado inicialmente pelo autor em uma rede social. As imagens foram postadas pelo autor, com créditos para o acervo do jornalista itapecuruense Benedito Buzar.
UM JOGO DE FUTEBOL

Josemar Sousa Lima

A Voz Paroquial São Benedito, que tinha seus estúdios instalados na Igreja Matriz, anunciou em uma de suas edições noturnas, com a voz impostada de seu locutor oficial, Marcelino Nogueira Filho, vulgo “Rim de Égua”, o seguinte reclame, como eram chamadas as propagandas naquele tempo:

“Atenção aficionados do futebol! Não deixem de assistir no próximo domingo, no Campo do Renner, ao grande encontro futebolístico entre a Seleção de Itapecuru Mirim e a Seleção de Ipixuna”.

Eu, sentado na calçada da residência do senhor José Januário, uma quitanda de secos e molhados, localizada da antiga Rua da Boiada, bem do lado de minha casa, ouvia a notícia com grande interesse, pois já tinha visto falar antes nesse grande confronto, onde o time itapecuruense ia tentar vingar-se de uma goleada sofrida recentemente da seleção do atual município de São Luiz Gonzaga, próximo a Bacabal, antes conhecido como Ipixuna.

Tinha eu aproximadamente doze anos e trabalhava como “caixeiro” na quitanda do citado senhor José Januário e Dona Chiquinha, durante todas as manhãs, de segunda a sábado, e já tinha até pedido um vale para pagar o ingresso, muito embora tenha sido aconselhado pelo amigo “Zé Diabo” a “varar”, ou seja, entrar sem pagar, contornando a cerca de madeira e, disfarçadamente, aproveitando o matagal ao fundo, juntar-se aos distraídos espectadores.

Era assim que fazíamos nos circos, onde era muito mais difícil e, ainda, corríamos o risco de sair puxado pelas orelhas sob os gritos de “varou”! “varou”!

Eu não quis correr o risco até porque a menina que eu queria namorar, colega de turma no Grupo Escolar Gomes de Sousa, morava ali pertinho. E se ela visse?

Nessa época existiam na cidade apenas duas praças esportivas, chamadas não de estádios, como atualmente, mas de “campos” – o Campo do Itapemirim, metade grama, metade areia; ali para o lado da Construpan, e o Campo do Renner, assim mesmo com dois “enes”, localizado no caminho grande, um pouco antes de onde é o estádio atual, palco escolhido para a grande batalha programada para o domingo que se avizinhava.

Eu nunca fui um craque, mas já nesse tempo jogava no time da Rua da Boiada que tinha como rival mortal o time da Rua da Bica. Minha posição era a menos disputada – eu era goleiro!

Na cidade existiam dois times grandes – O Náutico Esporte Clube, que ostentava um dos uniformes mais lindos que já vi, nas cores auriazul (um amarelo- ouro, com uma listra larga e horizontal azul-marinho à altura do peito); e o Renner Futebol Clube, este com camisas brancas e uma listra diagonal verde-folha que se estendia do ombro à cintura, que lembrava muito no formato o atual uniforme do Vasco da Gama.

O Náutico Esporte Clube tinha sua sede na casa de Dona Graciete Cassas, talvez porque um de seus craques, o ponta esquerda Leônidas, era seu esposo. A sede do Renner Esporte Clube eu não consigo lembrar agora. Nem sei se tinha, na verdade, sede esportiva, mesmo improvisada.

Ouvindo craques da época cheguei à conclusão que a origem no nome Náutico Esporte Clube advém do clube homônimo do futebol pernambucano que se popularizou aqui graças a grande penetração da Rádio Clube de Pernambuco, cujo sinal chegava por aqui com muita potência e qualidade e era captado à noite, quando tinha energia, pelos poucos aparelhos de rádio AM existentes na cidade.

Já o Renner Futebol Clube tem uma origem mais intelectualizada, pois a palavra tem raiz germânica e significa “Mensageiro a Cavalo” ou “Corredor”, com estreita ligação com a arte guerreira, a exemplo do Arsenal Futbool Club, esquadrão inglês. Deve ter sido encomendada a algum dos vários letrados da cidade.

Chegou, enfim, o grande dia da batalha final. Logo depois do almoço vesti minha camisa branca de farda, que tinha as letras “GS” bordadas em azul-marinho na parte superior do bolso esquerdo, e uma calça curta de mescla azul – minha melhor indumentária – e sai rumo ao campo!

Segui pela Rua da Boiada com destino ao Caminho Grande e logo à frente, depois do então Armazém Santo Expedito, maior comercio da cidade, de propriedade do saudoso senhor Raimundo Sousa, local onde hoje fica a Creche Municipal, encontrei a turma do time da Rua da Boiada, que vinha em sentido inverso, e todos seus integrantes com as mãos e os bolsos cheios de chupas de laranja destinadas a recepcionar o caminhão de carroceria aberta que trazia a delegação visitante. Sempre era assim!

Juntei-me a eles e ficamos debaixo das mangueiras, logo no início do Caminho Grande onde, posteriormente foi construída uma praça, preparados o para o ataque que não se demorou para ser iniciado.

Foi só o caminhão aparecer que o bombardeiro implacável se iniciou com uma gritaria ensurdecedora, como um ataque de índios. Seguimos o caminhão até à entrada do campo e lá nos dispersamos. Uma parte entrou pelo portão do campo, pagando sua entrada e outra direcionou-se para um caminho alternativo, rumo à então olaria do senhor Venâncio, para iniciar as estratégias de entrar desapercebida pelo matagal existente na parte posterior campo.

Os expectadores se aglomeravam na parte frontal da praça esportiva, num espaço entre as cercas dos quintais das residências localizadas em frente ao campo e a beira do gramado. Ali existiam algumas amendoeiras que aliviavam do sol escaldante daquele domingo de agosto.

Os jogadores iam chegado isoladamente, sendo que a maioria vinha de bicicleta, alguns já devidamente equipados e outros que se vestiam ali mesmo à beira do gramado. O time adversário já estava devidamente preparado e, por segurança, se postou na parte oposta do campo, logicamente longe da torcida adversária.

O jogo estava prestes a começar e técnico da seleção de Itapecuru Mirim, Seu Emetério Silva, o barbeiro mais conceituado da cidade e pai de dois dos atletas da seleção – Leônidas e Manin, dava as últimas instruções táticas a seus pupilos.

Enquanto isso eu assistia a um desafio feito pelo Gavetão, irmão do Dico Pé de Gia, também jogador da seleção, que apostara com um amigo seu que conseguiria comer cinquenta pasteis de carne sem beber água. Ele já estava no trigésimo e de seus olhos brotavam lágrimas arrependidas, mas ele enfiando mais um pastel na boca, fazia gestos que ia conseguir chegar lá.

Ouvi dois silvos longos do apito do árbitro da partida e corri para posicionar-me melhor pois a partida ia começar.

Lembro de alguns jogadores da seleção de Itapecuru Mirim que, nessa ocasião usava o uniforme amarelo e azul do time do Náutico Esporte Clube.

O goleiro era “Lourival”, irmão do professor João da Cruz Silveira, que morava no Rio de Janeiro e passava férias na sua cidade natal. Fez defesas memoráveis nesse jogo, inclusive defendendo uma bola quase indefensável chutada por um jogador adversário que tinha o sugestivo apelido de “canhão”.

Na defesa lembro do famoso beque central “Belisca”, um zagueiro respeitado em toda região, que mesmo com a sua baixa estatura era uma barreira quase intransponível para os atacantes contrários. “Manin”, pai do nosso amigo José Augusto Silva, atuava na lateral esquerda. Era dotado de uma técnica apurada e realizava quase sempre preciosas assistências para seu irmão Leônidas, pela esquerda. Completava a defesa, o lateral esquerdo “Nogueira”, que não tinha lá muitos dotes técnicos, mas funcionava como um verdadeiro espanador na proteção de sua área e compensava a baixa estatura do seu companheiro Belisca.

No meio campo, um outro irmão do professor João da Cruz da Silveira, o “Zé Baiano”, um homenzarrão de quase dois metros, que não levava desaforo pra casa e quando errava a bola tirava o jogador adversário de campo. Nesse jogo dois saíram nessas condições e tiveram que ser substituídos. Do seu lado direito um jogador magérrimo e muito alto, exímio cabeceador, conhecido como “Seu Vá” e, do lado esquerdo, atuava um jogador de pernas tortas apelidado de “Pé de Gia”, completando o meio de campo.

No ataque da seleção itapecuruense, lembro bem do “Leônidas”, ponta esquerda, que, com as devidas vênias, lembrava muito o Zagalo da seleção brasileira e, pela ponta esquerda atuava “Zé Araújo”, irmão do Belisca, famoso por seus potentes petardos que, em determinado jogo chutou uma bola tão forte que quebrou o travessão de madeira lavrada de uma das traves do campo, resvalou rumo à bandeirinha de corner e, literalmente, dobrou ao meio uma bandeja de flandres que um garoto usava para vender cocada.

Essa proeza é lembrada até hoje pelos desportistas daquela época e/ou seus descendentes. Ressalte-se que naquele tempo ainda não se usavam as “redes de malha” para reter as bolas que ultrapassam a linha fatal. No meio dos dois, como pivô, estava craque do time, um jogador fantástico chamado “Batatinha”, irmão do atual prefeito de Itapecuru Mirim, Miguel Lauande. Batatinha chegou inclusive a ser contratado pelo Maranhão Atlético Clube de São Luís, jogou algumas partidas, mas a saudade de sua terra natal e das peladas sem rigores técnicos não o deixaram seguir carreira.

Batatinha, nesse jogo, fez miséria; com seus dribles desconcertantes à lá Mané Garrincha. Entortava os defensores adversários de forma humilhante. Fez, inclusive, o único gol da partida, cobrando um pênalti que gerou reclamações e uma briga generalizada, onde até sobrou para o árbitro da partida, um senhor que morava na Trizidela e não tirava sua faca peixeira nem na hora de apitar as partidas. Era conhecido por não deixar os times de fora de Itapecuru Mirim sair com vitórias

Esse foi o jogo de minha vida, elevando-me da categoria de um jogador medíocre (mediano) para um patamar superior de eterno apaixonado pelo esporte bretão, como diriam os narradores e comentaristas esportivos de antigamente.

Passei, então, a acompanhar todos os jogos dos times de Itapecuru Mirim, mesmo quando jogavam fora da cidade e éramos chamados pelas torcidas adversárias de “Comedores de Vinagreira”, uma alusão à opulenta produção de verdura nas vazantes das margens do Rio Itapecuru, até quando tive a oportunidade de ver um jogo do Santos Futebol Clube, realizado no Estádio Nhozinho Santos, em São Luís, em uma noite mágica do dia 05 de novembro de 1967, com a participação do “Rei Pelé” & Companhia e cheguei ao céu do futebol.

Muitos desses artistas da bola, integrantes daquela seleção mágica, já não estão entre nós e eu os saúdo, vivos e mortos, em nome do craque Júlio Araújo, o Belisca, que continua firme e forte entre nós e horando a memória de todos os futebolistas itapecuruenses.

JOSEMAR SOUSA LIMA é economista, com especialização em Planejamento do Desenvolvimento Rural Sustentável e membro da Academia Itapecuruense de Ciências, Letras e Artes – AICLA.

 

Do Blogue do Ed Wilson

Igreja evangélica é inaugurada em São Luís do Maranhão

COMPARTILHE

Louvor, adoração, avivamento espiritual e entrega ao Senhor Jesus. Esses foram alguns dos momentos da noite de sábado (25), que marcaram a inauguração da igreja Assembleia de Deus Vida, na Avenida Daniel de La Touche no bairro Maranhão Novo em São Luís.

A cerimônia de inauguração foi aberta pelo pastor- presidente da ADVIDA/SL Romualdo Fernandes, ainda no lado de fora da igreja.

Acompanhado da esposa, Kesia Fernandes, ele destacou a importante conquista, fazendo a leitura da palavra, ressaltando a importância dos colaboradores na construção do novo santuário de adoração a Deus em São Luís, convidando a todos para cortaram a fita, oficializando a inauguração do templo sede da Igreja Assembleia de Deus Vida.

O momento gospel de louvor e adoração a Deus ficou por conta da Banda Ministério Vida, e a apresentação teatral do Grupo Ministério Dunamai da própria igreja.

A noite solene finalizou com a pregação especial do conferencista Norte-americano de New Jersey, Apóstolo Anton Wiggins, da Igreja Deus em Cristo.

Ao lado da esposa, a interprete e missionária Ide Wiggins, o pregador oficial da noite iniciou os trabalhos mostrando pontos importantes para a nova igreja vencer os obstáculos, dando testemunho sobre seus desafios como pregador, desde os 12 anos de idade.

Conhecido pelo estilo pentecostal de suas mensagens, disse ter  ficado muito feliz e grato pela oportunidade de pregar e inaugurar mais uma Igreja no Brasil- Assembleia de Deus Vida de São Luís.

O encontro foi marcado pela emoção, e manifestação do Espírito Santo, operando milagres, e curas, glorificando o sobrenatural poder de Deus pela fé cristã.

 O evento cristão que inaugurou a nova igreja em São Luís, contou com a presença de ilustres convidados, entre eles, o irmão do presidente da igreja, o radialista e jornalista do Sistema Mirante, Roberto Fernandes, e o prefeito da cidade de Senador Alexandre Costa/MA, Orlando Mauro Sousa Arouche.

Participaram da solenidade, os Pastores, Ezequiel Quaresma, Raimundo Nonato, a Pastora Liene Lindoso, os Diáconos, Elianselmo Ferreira Costa, Kenaz Veiga, Alexandre Reis, obreiros, e convidados da igreja.

 O primeiro culto da Assembleia de Deus Vida, aconteceu no dia 03 de setembro deste ano, foi celebrado pelo Pastor Romualdo Fernandes na quadra da Escola Monte Camelo do bairro da Cohama em São Luís.

 Perto de completar três meses de existência, a Igreja inova ao incentivar que fiéis utilizem as redes sociais durante os dias de culto para atrair mais pessoas que necessitam da presença de Deus, e segue levando a mensagem de fé e esperança para as pessoas que precisam ouvir a palavra em vários pontos da capital maranhense.
Em seu perfil na rede social Facebook, a integrante da ADVIDA, Graça Costa, agradeceu a Deus pela conquista, e não escondeu a felicidade com a inauguração da igreja.

“Estou muito feliz hoje, após a inauguração de minha igreja a (ADVIDA)”, ponderou. “Grandes coisas fez o Senhor por nós, por isso estamos Alegres”. Está tudo registrado nos Céus. Completou Graça Costa integrante da Igreja Assembleia de Deus Vida de São Luís.

Por Mauro Garcia

Igreja Cristã do povo convida a população da região do Apeadouro para Mega Evento dia 1º de abril

COMPARTILHE

A Igreja Cristã do Povo, localizada na Rua Agostinho Reis, Nº 142, bairro Apeadouro, em São Luís, convida toda população dos bairros vizinhos, para um Mega Evento que irá acontecer no dia 1° de abril de 2017, às 19h, com a participação especial da banda Forró D’ Crente.

O evento religioso terá  um momento de comunhão, de ouvir a palavra de Deus e agradecer ao senhor pelas vitórias conseguidas. Além de glorificar a Deus.

No decorrer do culto, todas as pessoas presentes ganharão um brinde especial, e muitas surpresas incríveis! Contamos com a presença de toda população dos bairros vizinhos.

Para mais informações, é só entrar em contato com o número (98)98111-4646 – TIM, Ou (98)98717-5224 – OI e falar com Bhene ou Pastor Rafael.

 

Pastor Valdemiro Santiago é esfaqueado durante culto ao vivo pela TV

COMPARTILHE

Rio de Janeiro – Um dos pastores mais conhecidos do Brasil, Valdemiro Santiago, sofreu um atentado durante o culto na manhã deste domingo na Igreja Mundial do Poder de Deus, no Brás, na Zona Sul de São Paulo. Ele realizava o culto quando uma pessoa, ainda não identificada, o esfaqueou duas vezes no pescoço. O ataque ocorreu por volta das 8h, horário em que sua pregação estava sendo transmitida ao vivo para todo o país.

O pastor foi hospitalizado e passou por cirurgia. Ele levou cerca de 20 pontos e não corre risco de vida.

Em vídeo no hospital, ao lado de sua esposa, a bispa Franciléia, a vítima tranquilizou os fiéis dizendo que perdoa o criminoso. “Estava limpando as mãos, acabando de ouvir um milagre de um testemunho. Entrou alguém que eu não sei, por trás, e me deu uma facada no pescoço. Mas fiquem tranquilos, a gente só vai quando Deus quer. Que Deus abençoe vocês e eu perdoo a pessoa que fez isso, não sei quem é, mas ela carece de perdão”.

O pastor também afirma que já sofreu situações muito piores do que essa facada.

A Polícia Civil de São Paulo prendeu o suspeito em flagrante. Ele foi contido por seguranças da igreja e levado para a 8ª DP (Bras). Segundo a polícia, o homem não é um fiel. Ele vai responder por tentativa de homicídio. Sua identidade não foi revelada.

O DIA

Igreja Matriz de Bequimão é reinaugurada no dia do Padroeiro

COMPARTILHE

MATRIZ

A comunidade católica de Bequimão saiu às ruas para homenagear o padroeiro da cidade, Santo Antônio, no último sábado (13). Mas este ano o festejo ganhou um motivo ainda mais especial; a reinauguração da Igreja Matriz, que passou por mais de dois anos e meio de reforma, com apoio e esforço dos fieis, encabeçados pelo padre Sandoval Ferreira. Tamanha coragem e dedicação do pároco foi reconhecidas pela comunidade de Bequimão, que lhe rendeu homenagens.

O evento mobilizou milhares de pessoas, como há muito tempo não se via nos eventos católicos do município. Antes de chegar à igreja, que ficou lotada, a multidão percorreu ruas e avenidas do Centro da cidade, levando à frente a imagem do padroeiro e entoando cânticos. A procissão e a celebração eucarística foram presididas pelo bispo da Diocese de Pinheiro, Dom Hélio, que abençoou as chaves da nova igreja.

Dom Hélio relembrou o bispo Dom Ricardo, que esteve à frente da Diocese de Pinheiro por muitos anos. Foi ainda no bispado dele que a reforma da igreja foi iniciada.

Cada detalhe da Matriz (como o altar, a capela do Santíssimo,  um quadro do artista plástico bequimõense Franssoufer, o coro) era contemplado com admiração por aqueles que participaram ativamente de sua reconstrução, doando recursos ou mesmo no trabalho diário como pedreiros, carpinteiros, pintores.

A equipe de liturgia preparou até roupa especial para a ocasião. No ministério de música, juntaram-se diversas vozes para deixar a celebração solene mais bonita. O clima era de festa e contagiou todo o município. A missa foi concelebrada pelo padre Ribamar e pelo diácono Rezende. O festejo foi encerrado com o show do padre Ribamar, animando os católicos que foram celebrar o Dia de Santo Antônio e a reinauguração da Igreja Matriz.

CONSTRUÇÃO DA PRAÇA

O prefeito Zé Martins (PMDB) participou da missa, entrando com a bandeira de Bequimão. Ele aproveitou a reinauguração da Igreja Matriz para anunciar a reforma da praça, orçada em R$ 432 mil reais; outro sonho da população.

 “Será uma nova praça, moderna, que se transformará no cartão postal da cidade de Bequimão. A obra será financiada pela Caixa Econômica Federal e terá todo apoio da prefeitura” – destacou o prefeito Zé Martins.

MATÉRIA DE ASSESSORIA

Ivaldo Rodrigues almoça com o arcebispo de São Luís

COMPARTILHE

20140817_113456

No mês de aniversário do Arcebispo de São Luís, Dom José Belisário da Silva, que completou 69 anos no último dia 4. Ontem (17) Belisário comandou a missa de inauguração de mais uma Paróquia no Estado do Maranhão.

A cidade beneficiada foi Cachoeira Grande, na região do Munim, onde ontem (17) houve a festa e a primeira missa em homenagem a Nossa Senhora da Conceição, que agora é a padroeira da cidade. Convidado especial, Ivaldo Rodrigues participou da missa e fez questão de ficar no meio dos fiéis, onde tem muitos amigos.

20140817_11394220140817_113944

Após a missa, Ivaldo Rodrigues foi convidado para almoçar com Dom Belisário e os padres presentes. Além do Arcebispo de São Luís, estiveram presentes os Párocos das Igrejas da região do Munim, que também contribuíram para o surgimento da Páróquia da Conceição em Conceição no município de Cachoeira.

20140817_15180820140817_151815

Com pessoas de todos os municípios da região, uma multidão se reuniu em frente a Capela, no centro da cidade de Cachoeira Grande. O padre Antônio José Ramos Costa, foi conclamado o novo Pároco da Igreja da Conceição. Desmembrada da Igreja de Nossa Senhora Aparecida da cidade de Morros, a Paróquia de Nossa Senhora da Conceição passa agora a ser independente.

20140817_10265420140817_102426

Antes, a Igreja era ordenada pelo padre Trindade, que entregou a chave da Igreja ao novo padre, e passa a ser apenas responsável pelo município de Morros, após 4 anos e 7 meses à frente da Igreja Católica de Cachoeira Grande.

20140817_10310920140817_103114

 

Responsive WordPress Theme Freetheme wordpress magazine responsive freetheme wordpress news responsive freeWORDPRESS PLUGIN PREMIUM FREEDownload theme free