casa » Archivo de Etiquetas: Idosos

Archivo de Etiquetas: Idosos

Gedema entrega kits de higiene pessoal a idosos do Solar do Outono e Asilo de Mendicidade

COMPARTILHE

O Grupo de Esposas dos Deputados do Maranhão (Gedema) entregou, nesta terça-feira (1º), kits de higiene pessoal a idosos do Solar do Outono, no bairro Cohab, e no Asilo de Mendicidade, no São Francisco, em nome de sua presidente, Ana Paula Lobato.

Lúcia Rocha falou em nome do grupo de assessores da entidade responsável pela entrega. “A presidente do Gedema está muito feliz em poder ajudar os nossos idosos, minorando os problemas que eles enfrentam, aproveitando a passagem alusiva à Semana do Idoso. Trago um abraço a todos e estamos abertos a novas parcerias”.

Na visita, os representantes do Gedema foram recebidos pelos idosos e pela diretora administrativa, Iracema Duarte, representando o diretor, Glecio Sandro Silva. “Nós estamos felizes em poder receber essas doações. É uma parceria louvável”, disse.

A assessora do Gedema, Lúcia Rocha, contou que a entidade entregou os kits em homenagem à Semana do Idoso. Os kits contêm desodorante, sabonete, toalha e outros itens.

Corações abertos

Os idosos agradecerem o presente, a exemplo de Dona Glória Maria Silva. “Estou muito feliz em receber o kit e também pela visita de todos”, disse.

Dona das Dores também agradeceu. “Somos agradecidas, de coração, pela visita e não somente as portas do asilo estão abertas para todos, mas todos os corações estão de portas abertas”, afirmou, emocionada.

De acordo com o Gedema, a visita decorreu do fato de ser um dos poucos estabelecimentos que abrigam idosos em São Luís. Por isso, foi contemplado dentro das atividades do projeto “Gedema Solidário”, que desenvolve ações de cunho social em parceria com várias instituições.

A diretora do Solar do Outono contou que a casa atende a 31 idosos e tem 91 funcionários, entre médicos, dentistas, enfermeiros, auxiliares de enfermagem, psicólogos, assistentes sociais, fisioterapeutas, farmacêuticos e nutricionistas. Além disso, dispõe de farmácia, enfermaria, salas de equipe técnica, salas de administração, recepção, cozinha, refeitório, duas praças internas, banheiros coletivos para funcionários, lavanderia, rouparia, oito quartos com banheiros adaptados e duas áreas externas pavimentadas.

Outras ações são desenvolvidas pela equipe multiprofissional, que trabalha de forma articulada desenvolvendo atividades de acompanhamento especializado e grupais, como atividades socioeducativas, socioculturais e religiosas.

Pesquisadores da UFMA fazem mais coletas para estudo sobre saúde de idosos quilombolas de Bequimão

COMPARTILHE

A equipe de pesquisadores da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), que está realizando um estudo sobre as condições de vida e saúde de idosos das comunidades quilombolas de Bequimão, coletou dados em mais dois povoados, Sibéria e Marajá, na última sexta-feira (20). A pesquisa é financiada pela Fapema e pelo CNPq, com apoio da Prefeitura de Bequimão, que mobiliza esforços das secretarias de Saúde, Assistência Social e Cultura e Promoção da Igualdade Racial. O prefeito Zé Martins definiu como uma das prioridades de sua gestão a melhoria da qualidade de vida nas comunidades remanescentes de quilombolas.

Desta vez, 17 idosos participaram das coletas, sendo três da comunidade Sibéria e 14 do quilombo Marajá. A ação ocorreu na Unidade Básica de Saúde do Areal. Seis estudantes do curso de Enfermagem da UFMA/Pinheiro e mais um estudante do curso de Educação Física coletaram sangue, fizeram eletrocardiograma, coleta do Swab (para diagnóstico e investigação de doenças), medidas antropométricas e medidas aplicadas à escala de depressão geriátrica.

Na primeira fase da pesquisa, realizada em 2018, foram levantadas informações a partir de questionários aplicados aos moradores com mais de 60 anos de idade, nas comunidades de Ariquipá, Suassuí, Sibéria, Pericumã, Juraraitá, Mafra, Santa Rita, Conceição, Ramal do Quidiua, Rio Grande e Marajá. Eles procuravam saber as condições socioeconômicas, demográficas, sanitárias, os comportamentos de saúde e as doenças que mais afetam os idosos de comunidades quilombolas.

Depois, os pesquisadores retornaram às comunidades para um novo encontro com os idosos e as idosas que haviam participado da primeira etapa do estudo, para coleta de sangue e de urina. Essas amostram foram levadas ao laboratório, com o objetivo de avaliar o hemograma completo, a glicemia de jejum, lipidograma completo, PSA (somente homens) ácido úrico, ureia, creatinina, TGO, TGP, EAS (sumário de urina). Depois de seis meses, a coleta será repetida.

 

A pesquisa é coordenada pelo professor Bruno de Oliveira, que atua no Curso de Medicina da UFMA – Campus Pinheiro e doutor em Saúde Coletiva, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Os trabalhos foram acompanhados pelos secretários Sidney Bouéres (Saúde) e Rodrigo Martins (Cultura e Promoção da Igualdade Racial).

A próxima ida da equipe a Bequimão será na sexta-feira (27), para um encontro com idosos da comunidade de Pericumã.

Prefeitura de Alcântara realiza ação do Setembro Amarelo na Casa de Apoio ao Idoso

COMPARTILHE

A Prefeitura de Alcântara, por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, da Mulher e Igualdade Racial, em parceria com o CRAS, realizou na última sexta-feira (20), uma ação em apoio à campanha Setembro Amarelo, movimento internacional voltado à prevenção do suicídio.

A ação aconteceu nas dependências da Casa de Apoio ao Idoso, localizada na Rua Grande, no centro da cidade e serviu para celebração da vida. O evento foi iniciado com as boas vindas e esclarecimentos sobre o objetivo da Campanha, além de agradecimentos feitos pela psicóloga do CRAS Volante – Auriclê Brum e pela coordenadora do CRAS – Luciana C. B. Lima.

Participaram da ação 60 pessoas, entre idosos(as) e pessoas com deficiência dos grupos dos serviços do PAIF e SCFV, onde os psicólogos Auriclê Brum e João Alex Marques Bezerra, promoveram palestra voltadas a reflexões sobre o valor da vida e sobre a campanha encabeçada pela CVV/MS.

Durante o evento foram realizadas atividades de integração e sensibilização com as pessoas presentes, além de outras observações e informações sobre a temática.

No Brasil estatísticas apontam que anualmente o suicídio é a 2ª maior causa de morte de jovens entre 15 a 29 anos. No mundo este número alcança 84.000 mortes anualmente, 90 % destas relacionadas a psicopatologias das quais a depressão encabeça a lista envolvida em 35% dos casos.

Seguem também transtornos decorrentes de drogadicção, desordens de personalidade, esquizofrenia, dentre outros. Neste sentido, os serviços – Grupo Superação; Grupo A Felicidade não tem idade e Grupo Feliz Idade, dialogaram e puderam refletir sobre a importância desta temática.

Para finalizar, a secretária de Desenvolvimento Social, Maria do Nascimento Pinho, agradeceu a todos, convidando-os para demais eventos em comemoração ao mês da pessoa idosa. Maria se mostrou comprometida com os idosos e com a população de Alcântara.

Pesquisadores da UFMA avaliam condições de vida e saúde de idosos quilombolas de Bequimão-MA

COMPARTILHE

As condições de vida e saúde de 208 idosos das comunidades quilombolas de Bequimão estão sendo estudadas por pesquisadores da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) – Campus Pinheiro. Na primeira fase da pesquisa, realizada em 2018, foram levantadas informações a partir de questionários aplicados aos moradores com mais de 60 anos de idade. Na última quarta (14) e quinta-feira (15), a equipe formada por investigadores dos cursos de Medicina e Enfermagem voltou às comunidades, desta vez para coleta de sangue e urina, que serão analisados em laboratório. A Prefeitura de Bequimão, parceira do projeto, pretende usar os dados gerados pela pesquisa para melhorar o planejamento das políticas de saúde voltadas a essa população.

Os agentes comunitários de saúde, que acompanham periodicamente as famílias do município, ajudaram a fazer o primeiro levantamento, identificando as pessoas idosas. Depois, os pesquisadores foram de casa em casa, nas comunidades de Ariquipá, Suassuí, Sibéria, Pericumã, Juraraitá, Mafra, Santa Rita, Conceição, Ramal do Quidiua, Rio Grande e Marajá. Eles procuravam saber as condições socioeconômicas, demográficas, sanitárias, os comportamentos de saúde e as doenças que mais afetam os idosos de comunidades quilombolas.

A hipertensão arterial apareceu como a doença com maior incidência entre as pessoas com mais de 60 anos. Do total de idosos entrevistados, 57,2% sofrem de pressão alta. As outras enfermidades mais relatadas foram os problemas de coluna, glaucoma/catarata e diabetes, principalmente entre as mulheres. As entrevistas ocorreram entre os meses de junho e setembro do ano passado. Além desses dados, a equipe de pesquisa estava interessada em entender fatores sociais e econômicos que influenciam na dinâmica de vida nos remanescentes de quilombos.

“Observamos que as desigualdades no envelhecimento populacional refletem características do processo histórico, social, regional e cultural. Quando pensamos na situação da população negra, percebemos um acúmulo de desvantagens ao longo de cada ciclo de vida e gerações até a fase idosa. A situação de vida, saúde e doença dessas pessoas revela as marcas históricas dos níveis sociais”, destacou o coordenador da pesquisa, Bruno de Oliveira, que é professor do Curso de Medicina e doutor em Saúde Coletiva, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Essas informações servirão de base para a etapa iniciada na segunda semana de agosto. Desde o início, a equipe recebeu apoio técnico e logístico da Secretaria de Estado de Articulação das Políticas Públicas do Maranhão, Secretaria Municipal de Assistência Social de Bequimão, Secretaria de Cultura e Promoção da Igualdade Racial, Secretaria Municipal de Saúde, equipes da Estratégia de Saúde da Família e das lideranças comunitárias locais. Conta também com financiamento público da FAPEMA e do CNPq.

Nova fase de coletas

Os pesquisadores da UFMA retornaram às comunidades para um novo encontro com os idosos e as idosas que haviam participado da primeira etapa do estudo. Agora, eles coletaram amostras de sangue e de urina, que serão examinados em laboratório. Para conhecer melhor a saúde dos quilombolas a partir dos 60 anos, serão avaliados o hemograma completo, glicemia de jejum, lipidograma completo, PSA (somente homens) ácido úrico, ureia, creatinina, TGO, TGP, EAS (sumário de urina). Depois de seis meses, a coleta será repetida. “Com as informações obtidas, o projeto tem o compromisso de dá um retorno à comunidade, com ações que proporcionem uma transformação social, política e de saúde”, garantiu o professor Bruno.

As coletas dessa nova fase foram acompanhadas pelo secretário municipal de Cultura e Promoção da Igualdade Racial, Rodrigo Martins, que ressaltou o conjunto de ações desenvolvidas pela administração municipal, desde 2013, para melhorar as condições de vida dos moradores das 11 comunidades quilombolas de Bequimão. “Sabemos o quanto a população negra foi negligenciada, historicamente. Por isso, nosso esforço é para criar projetos que efetivamente transformem a vida dos quilombolas do nosso município, com cuidados que vão desde a primeira infância até a velhice”, enfatizou o secretário.

Remanescentes de quilombos

Os quilombos surgiram como territórios de resistência à escravidão no Brasil. Ao longo da história do país, muitas dessas comunidades permaneceram no mesmo lugar de luta dos ancestrais. O Maranhão é o estado do país com a segunda maior concentração das chamadas comunidades remanescentes de quilombos, com 27,7%, ficando atrás apenas da Bahia, que registra 30%, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no censo de 2010.

Em Bequimão, a estimativa é que 1.286 famílias vivam nas 11 comunidades já reconhecidas pela Fundação Cultural Palmares e pelo Ministério da Cultura.

 

Prefeitura assume presidência do Conselho Municipal do Idoso

COMPARTILHE

Representando a Prefeitura de São Luís, a superintendente de Administração da Secretaria Municipal da Criança e Assistência Social (Semcas), Sofia Pereira tomou posse como presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa (CMDI). A suplente é a secretária adjunta de Gestão da Semcas, Nazarteh Garcês. A eleição da nova diretoria ocorreu na manhã desta quarta-feira (17), na Casa dos Conselhos, após os 36 conselheiros que compõe CMDI serem empossados pelo Conselho Estadual dos Direitos do Idoso do Maranhão (CEDIMA) para o biênio 2017/2019.

“O prefeito Edivaldo reforça a importância dos conselhos de direito, bem como, do papel fundamental dos conselheiros para o avanço das políticas públicas. Com os novos membros, esperamos dar continuidade ao trabalho de fortalecimento das ações do CMDI”, reforçou a secretária adjunta de Gestão da Semcas, Nazarteh Garcês que também representa a Secretaria no Conselho.

Entre as metas estabelecidas pela diretoria eleita, está a efetivação do Fundo Municipal do Idoso. O Fundo tem o objetivo de facilitar a captação, o repasse e a aplicação de recursos destinados ao desenvolvimento das ações de atendimento à pessoa idosa no município. “Nós iremos trabalhar para campanha de arrecadação de recurso no segundo semestre para que em 2018 seja lançado o primeiro edital convocando instituições para execução de projetos voltados a política, explicou a presidente eleita, Sofia Pereira.

CONSELHO

O Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa, em São Luís, foi regulamentado pela Lei 3.397/95. Possui funções deliberativas, normativas, controladoras, fiscalizadoras e consultivas no que diz respeito à Política Municipal do Idoso.

Entre suas competências consta a formulação de denúncias sobre discriminação da pessoa idosa e proposta de planos, programas e projetos relacionados à questão do idoso. Tem caráter permanente, deliberativo e paritário, com 36 membros, sendo nove representantes do poder público e nove da sociedade civil.

Na área governamental, fazem parte do conselho representantes das secretarias municipais da Criança e Assistência Social, Saúde, Educação, Planejamento e Desenvolvimento, Trânsito e Transporte, Cultura e Turismo.

Servi Porto, Internacional Marítima e Navegações Pericumã são condenadas por não darem condições aos idosos com mais de 65 anos

COMPARTILHE

O Estado do Maranhão e as empresas, Servi Porto, Internacional Marítima e Navegações Pericumã, foram condenadas em Ação Civil Pública pela Vara de Interesses Difusos e Coletivos de São Luís, por não darem condições aos idosos com mais de 65 anos de utilizarem os serviços de transporte gratuitamente, como determina a Constituição estadual.

A Ação Civil Pública cominatória de obrigação de fazer foi proposta pelo Ministério Público estadual, após constatação, em Inquérito Civil, do descumprimento da lei pelas empresas e da omissão do Estado do Maranhão, em fiscalizar as empresas de transporte marítimo de caráter municipal, que fazem o transporte de Ferryboat de São Luís ao porto de Cujupe, no município de Alcântara.

FUNDAMENTAÇÃO

Ao fundamentar a decisão, o juiz Douglas de Melo Martins, da Vara de Interesses Difusos e Coletivos, argumentou que a Constituição Estadual do Maranhão, em seu artigo 255, prevê que “Aos maiores de 65 anos é garantida a gratuidade dos transportes coletivos urbanos e interurbanos” e que a Lei instituidora da Agência Nacional de Transportes Aquaviários prevê que a ANTAQ “harmonizará sua esfera de atuação com a de órgãos dos Estados e dos Municípios encarregados do gerenciamento das operações de transporte aquaviários intermunicipal e urbano”.

O juiz assegurou, ainda, que o Estado do Maranhão, por meio da Agência Estadual de Transporte e Mobilidade Urbana (MOB), editou o Regulamento do Serviço Público de Transporte Aquaviário Intermunicipal de Passageiros do Maranhão.

O magistrado completa ainda: “a Lei Estadual Nº 9.985/2014 determina que compete exclusivamente ao Estado do Maranhão explorar diretamente ou mediante concessão ou permissão os serviços de transporte aquaviário intermunicipal de passageiros e veículos, obrigando-se a prestá-lo com qualidade e mediante tarifa justa, na forma da Lei e das Constituições Federal e Estadual”.

DEFESA

Em defesa, o Estado do Maranhão alegou que não dispõe do poder de polícia para fiscalizar esta obrigação estatal, e que a entidade competente para isso seria, exclusivamente, a União, por se tratar de serviço por ela explorado.

A empresa Servi Porto disse existir uma grande demanda de normas jurídicas visando assegurar a gratuidade do transporte coletivo ao idoso, tanto no âmbito federal como estadual, mas que nenhuma norma trata do transporte aquaviário intermunicipal. Já a Navegação Pericumã, por sua vez, questionou a incompetência da Justiça estadual nessa matéria.

DECISÃO

Porém, no julgamento da questão, o juiz Douglas Martins acolheu os pedidos formulados pelo Ministério Público e condenou o Estado a fiscalizar o cumprimento da gratuidade, sem limite de cotas, aos idosos com mais de 65 anos. E as três empresas terão que garantir a gratuidade no transporte sob pena de multa de R$ 5 mil pelo descumprimento da decisão.

As empresas também foram condenadas a divulgar a gratuidade concedida pela sentença por meio de murais nos locais de venda de passagens em cartazes pregados em cada embarcação ou então pagarão multa.

Por Gilson Vieira

Prefeitura de Alcântara realiza Ação para população da terceira idade

COMPARTILHE

A prefeitura de Alcântara, através da Secretaria Municipal de Assistência Social, em conjunto com as demais secretarias, realizou uma ações para beneficiar alcantarenses da terceira idade. As primeiras ações com os idosos serão iniciadas através de oficinas, tipo artesanato, pintura, entre outros temas voltados para o Artesanato de cerâmica. O projeto começará a partir de junho.

Para o Secretário Rogério Fernandes, as primeiras medidas já foram tomadas com o aval do prefeito Anderson Wilker. “Nosso foco imediato será por todos os órgãos que compõe a Assistência Social pra funcionar plenamente, dai depois disso partir pra ações pontuais com foco aos vários grupos” – destacou o gestor.

Essa foi uma explanação geral de como iniciar o trabalho na Assistência Social, que há muito tempo não funcionava no município de Alcântara. Para começar o projeto, foi iniciada uma conversa com os idosos, e depois com os portadores de necessidades especiais. Uma ação inédita na história de Alcântara.

Inicialmente a prefeitura vai atuar na zona urbana, mas com os avanços levará o projeto para as comunidades polos da zona rural do município. O projeto é pioneiro, e tem todo apoio do prefeito Anderson.

As Ações gerarão terapia e novas capacidades que podem aumentar a renda familiar do idoso, além de valorizar um grupo que estava desassistido e esquecido pelo poder público há décadas.

Para o prefeito Anderson Wilker, o momento é de planejamento e execução de trabalhos de urgência. “Estamos com uma equipe qualificada, e vamos trabalhar um planejamento para beneficiar todos os seguimentos da sociedade alcantarense. As crianças e os idosos são prioridades em nossa gestão” – destacou o prefeito.

Estiveram presentes na reunião, Maria do Nascimento (Adjunta da Assistência), Flor de Maria (Assessora), A Primeira Dama (Rayssa Araújo), Marcelina Serrão (Cultura e Turismo), Wemerson Martins (Esporte e Juventude) e Benedito Barbosa (Agricultura).

 

Responsive WordPress Theme Freetheme wordpress magazine responsive freetheme wordpress news responsive freeWORDPRESS PLUGIN PREMIUM FREEDownload theme free