casa » Archivo de Etiquetas: Audiência Publica

Archivo de Etiquetas: Audiência Publica

Vereadora Fátima Araújo solicita Audiência Pública para debater suposta fraude no processo de escolha dos candidatos ao Conselho Tutelar em São Luís

COMPARTILHE

A vereadora de São Luís, Fátima Araújo (PCdoB), usou a tribuna da Câmara Municipal nesta terça-feira (10), para falar de um requerimento de sua autoria que solicita uma Audiência Pública com urgência para debater sobre uma suposta fraude na escolha dos candidatos para o Conselho Tutelar.

Durante seu discurso Fátima Araújo enfatizou uma denúncia formulada por candidatos ao cargo de Conselheiro Tutelar. “O curso de capacitação deveria ser mais intenso para levar mais conhecimento aos candidatos. Concordo com a aplicação da prova, o que seria mais democrático aos eleitores. Mais algumas questões precisam ser respondidas pelos organizadores, como por exemplo, sobre a nota de corte que foi diminuída”, destacou a vereadora.

Segundo a vereadora Fátima, algumas atitudes do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e Adolescente (CMDCA), acabaram causando dúvidas sobre o processo e deixaram em cheque a legitimidade do certame.

Fátima Araújo solicitou além do CMDCA, representantes do Ministério Público Estadual (MPE) na Audiência Pública, para que todos esses pontos sejam esclarecidos à Sociedade Ludovicense.

“A gente percebe a preocupação de cada candidato ao Conselho Tutelar, quando estava se preparando para esta prova. O que tenho percebido é que o processo para o Conselho Tutelar virou mais questões políticas, que beneficiar a população. É o povo que elege um conselheiro tutelar, e por isso peço urgência na marcação desta Audiência Pública”, finalizou.

Polo da UEMA vai voltar a funcionar em Bequimão após audiência pública

COMPARTILHE

Uma audiência pública realizada na manhã deste sábado (20), na Escola Manoel Beckman na cidade de Bequimão, reuniu lideranças políticas, estudantes, professores, reitor da UEMA e autoridades do município.

Após discussões, o Reitor entendeu a importância da audiência e Bequimão poderá receber novamente o polo da UEMA, após a interrupção em 2015. O polo irá ofertar cursos de graduação para Bequimão com processo seletivo marcado ainda para este ano. Serão ofertados dois cursos de graduação, dois cursos de especialização e um curso técnico. A previsão é que o início das aulas deverá acontecer em fevereiro de 2020.

Sem visão ideológica, lideranças políticas locais unem forças e conseguem o compromisso de reativação do polo da UEMA. O prefeito Zé Martins participou da audiência, e garantiu ao Reitor todo apoio local e necessário do município para que os estudantes bequimãoenses voltem a fazer um curso superior sem a necessidade de deslocamento para outra cidade.

O Reitor da UEMA, Prof. Dr. Gustavo Pereira Costa, destacou que o secretário adjunto de Comunicação do Estado, Robson Paz havia solicitado a audiência pública. “Robson Paz que nos procurou e articulou este momento de audiência pública aqui em Bequimão”, disse o Reitor da Uema.

Estiveram presentes o prefeito Zé Martins, os vereadores Professor Zeca, Preta de Barbosa, Vetinho Belo e Fredson Pereira, o professor Valter Penha, Coronel Lopes, o ex-prefeito José Luís Bernal, o ex-vice prefeito César Cantanhede, o ex-superintendente do Sebrae, João Martins, os ex-vereadores Elanderson Pereira, Barbosa do Mojó e Ribinha de Filuca, os secretários Ademar Costa e Kell Pereira, o Reitor Prof. Dr. Gustavo Pereira Costa e o secretário adjunto Robson Paz, além de lideranças comunitárias e sindicais.

Por G7

UEMA, com apoio da Prefeitura de Bequimão, realiza audiência pública para discutir implantação de polo da universidade

COMPARTILHE

A Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), com apoio da Prefeitura Municipal de Bequimão, realizará audiência pública para debater a importância do ensino superior público e de qualidade e a implantação de um polo da universidade no município. O evento acontecerá no sábado (20), às 9h, na Escola Manuel Beckman, no Centro.

Centenas de bequimãoenses fizeram cursos de graduação no polo da UEMA, que funcionou no município até o ano de 2105, quando foi extinto pelo governador Flávio Dino.

É grande a demanda por cursos superiores em Bequimão. Depois da retirada do polo da UEMA, muitos jovens precisaram recorrer a faculdades privadas ou a universidades em outros lugares, para que conseguissem realizar o sonho da graduação.

A consulta pública, que é uma metodologia de participação social, possibilita à cidadania a chance de dialogar com as instituições públicas, apresentando suas demandas, até a construção de decisões coletivas.

O prefeito Zé Martins recebeu o convite do reitor da UEMA, Prof. Dr. Gustavo Pereira Costa, que estendeu a convocação à população bequimãoense em geral.

Audiência Pública de autoria da vereadora Fátima Araújo debate Reserva do Canaã na Câmara Municipal

COMPARTILHE

Cuidar do meio ambiente é um gesto de amor. Nesta quinta-feira, 01 de novembro a vereadora Fátima Araújo (PCdoB) demonstrou essa atitude ao realizar uma Audiência Pública que debateu a Reserva do Canaã na Câmara Municipal de Vereadores. Com o tema: Reserva Canaã e seu direito de preservação, o evento reuniu autoridades de vários seguimentos, defensores do meio ambiente, representantes de Ongs e Sociedade Civil. 

Na abertura da Audiência Pública a vereadora Fátima Araújo destacou a importância de cuidar não só da Reserva Canaã, mas sim de todas as reservas, de todos os rios e manguezais da capital maranhense. “A Reserva Canaã é uma área que virou um lixão, além de lembrar que a reserva tem um esgoto da Caema que está poluindo aquele rio que é tão importante para a capital maranhense. Gostaria que o prefeito Edivaldo Holanda Júnior venha olhar com urgência para essa reserva, que aos poucos está morrendo e matando nosso povo. Quero lembrar que ano passado eu destinei uma emenda de R$ 100 mil reais para que o poder público pudesse investir na preservação da reserva. Graças a Deus foi aprovada a emenda impositiva e nós vereadores vamos poder trabalhar, ajudando causas como esta, sem passar por esses constrangimento”, destacou a vereadora.

Quem usou a palavra durante a sessão foi o vereador Marcial Lima (PRTB), que destacou a falta de compromisso do poder público, mas também o descaso da população com as reservas, rios e manguezais de São Luís. “Muitas cidades do nordeste gostariam de ter o que a gente tem em São Luís. Mesmo às vésperas de um feriado, a câmara está lotada para debater um tema tão importante como este. Quero parabenizar a vereadora Fátima Araújo pela iniciativa de debater um tema esquecido pelo poder público. Além da reserva do Canaã, temos a reserva do Rangedor, Parque do Bacanga, Reserva do Itapiracó, alem da Reserva do Batatã que está totalmente abandonada e invadida. A mesma lei que temos aqui sobre lixo, poluição outros estados também tem. Por que lá funciona e aqui não? Falta atitude do poder público para punir os infratores.” destacou Marcial Lima, que pediu que a próxima audiência seja realizada na comunidade.

A representante da Ong Amigos da Reserva Canaã (ARCA) Quênia Pereira Figueira de Matos destacou a luta dos moradores do Residencial Canaã na luta contra o desmatamento da mata e poluição do rio. “Temos mobilizado os moradores com limpeza da área e do rio. Precisamos de ajuda dos vereadores, autoridades públicas e sociedade civil. Temos trabalhado a educação ambiental, mas o local tem sido um ambiente de despejo de lixo e dejetos, além de crimes como estupros, desovas, palco de uso de drogas e furtos. Precisamos que o poder público veja melhor pela reserva, já que o rio também é importante para nossa cidade. A grande extensão de área verde hoje quase já não existe”, destacou.

Para o representante da Ong Eco Bela, Márcio Mendonça destacou a importância da audiência pública para debater a Reserva Canaã. “A importância é multidimensional por que ela mexe com todas as esferas da diversidade cultural, biológica e da diversidade assistencial dentro de uma área de preservação permanente, como é a reserva do Canaã. O que é lamentável nesse aspecto é que você cria a área de preservação, mas não institui oficialmente essa área. Desde 2007 a área está criada e 2012 seria a data para fechar o Plano de Manejo da área da reserva, só que isso não aconteceu, já são 11 anos e até agora nada. É como se o poder público criasse o enredo e não concluísse o poema”, destacou Márcio Mendonça.

Quem esteve presente na Audiência Pública e debateu o tema foi o Comandante do Batalhão Ambiental, Coronel Adenilson. “É importante esse tipo de Audiência Pública sobre Meio Ambiente. Conforme diz o artigo 225 da constituição é um direito comum de todos de cuidar e preservar. Com a participação da sociedade é muito importante, para entender o problema dos danos e crimes ambientais que muitas vezes acontecer por falta de conhecimento do cidadão. As pessoas que cometem esses crimes são conduzidas à delegacia como prevê a lei 9.605. A maioria dos crimes ambientais são crimes de menor ofensivo. Combater o crime faz parte da polícia, e isso não fazemos sozinho, precisamos da sociedade. Nós temos no Brasil uma cultura não voltada para preservação ambiental. O poder público precisa criar um mecanismo para que faça valer o que prevê a constituição na área de preservação. É necessário juntar os poderes executivos, legislativos e judiciário, além de sociedade como um todo”, destacou.

RESERVA DO CANAÃ

A Reserva Canaã está localizada às margens da Avenida Santos Dumont, possui 2.500 metros quadrados, além de uma extensão do rio com cinco nascentes: Rio Jaguarema, Rio Cutia (que nasce no bairro São Cristóvão) e Afluentes do Rio Anil com variedades de plantas e animais. Na reserva podemos encontrar mangueiras, juçareiras, buritizeiros, anajazeiros, além de plantas como aninga, e tanas outras.

Estiveram presentes os vereadores Marcial Lima e Cesar Bombeiro, que presidiram a sessão. além de representantes do município, do estado, de Ongs e sociedade civil. Além do presidente da Ong Amigos da Reserva do Canaã, senhor Rivandima Barros, principal defensor daquela reserva. Representantes de bairros como João de Deus, Vila Conceição, Pirapora, Canaã, Vila Lobão, João Alberto e outras localidades estiveram presentes para debater o tema.

Fotos: Edilson Gomes

Fátima Araújo realiza grande audiência pública sobre o Idoso

COMPARTILHE

A vereadora de São Luís, Fátima Araújo (PCdoB), realizou na manhã desta quinta-feira (27) uma audiência pública que reuniu grande número de pessoas, incluindo autoridades municipais e estaduais. Com o tema “Os desafios do envelhecimento e a atenção à pessoa idosa”, o ato foi realizado no plenário Simão Estácio da Silveira, da Câmara Municipal de São Luís.

A sessão foi presidida pelo vereador Rómulo Franco (DEM). A autora da audiência Fátima Araújo, destacou a importância de debater temas dessa natureza e falou de seu projeto de lei Nº 007/2016 que tramita na Câmara Municipal para construção do Hospital do Idoso para tratamento e internação. Durante a audiência, autoridades presentes confirmaram apoio ao projeto e pediram empenho dos parlamentares sobre o tema, pela importância do Idoso na sociedade.

Autoridades como José Augusto Cutrim Gomes (Promotor da 16ª e 1ª promotoria do Idoso), Esdras Soares Júnior (Promotor da 17ª promotoria do Idoso), Aldeídes Reis (Orientadora Social – CRAS João de Deus), Itamar Almeida (Vice Presidente do Conselho do Idoso), Maria Zali Borges Sousa San Lucas (Sócia proprietária do Espaço da Gente e Representante da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia do Maranhão) e Andréia Lauande (Secretária Municipal da Criança e Assistência Social – SEMCAS), além de estudantes universitários, professores e população em geral.

Para a vereadora Fátima Araújo, no Brasil a população de idosos tem crescido bastante. “Enquanto a taxa de natalidade vem diminuindo, a taxa de envelhecimento está em crescimento acelerado. Além do envelhecimento da população, o Brasil precisa enfrentar a pobreza que atinge grande parte da população. O novo padrão demográfico mostra que até 2025 o Brasil terá uma população de 32 milhões de idosos, o que será complicado para o pais, que tem uma saúde bastante deficitária. Em São Luís tenho um projeto para criar um hospital para nossos idosos”, destacou a Pequena Guerreira.

Satisfeito com o debate, o público presente parabenizou a atitude da vereadora Fátima Araújo, que tem realizado um grande trabalho desde que assumiu a cadeira no parlamento ludovicense. Comprometida com as crianças, jovens, adultos e idosos, Fátima Araújo trabalha 24h em prol da melhoria para a população ludovicense de modo geral.

 

Mulheres discutem direitos em Alcântara-MA

COMPARTILHE

O debate sobre o direito das mulheres tem que ser uma pauta abordada diariamente. Pensando nisso, a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, da Mulher e Igualdade Racial realizou uma Audiência Pública que reuniu as mulheres de todas as regiões da cidade de Alcântara, na Câmara Municipal.

Com o tema: A Cultura da Paz Começa em Casa, o Fim da Violência Doméstica Também, o evento contou com a participação da coordenadora estadual da Delegacia da Mulher, delegada Kazumi Tanaka, da secretária estadual da Mulher, Terezinha Fernandes, do delegado de Alcântara, Rafael Almeida, do juiz titular do município, Rodrigo Terças, prefeito Anderson Wilker, além de autoridades municipais e lideranças.

Segundo a secretária de Desenvolvimento Social, da Mulher e Igualdade Racial, Menca Pinho, Alcântara precisava discutir os direitos das mulheres em audiência. “Nós estamos empenhado não só em fazer reuniões na sede do município, mas buscamos levar o debate nas comunidades e povoados. Essa ação melhorou a participação da mulher no combate aos problemas de violência doméstica, negligencia e o próprio preconceito, que ainda existe na sociedade,” disse a gestora.

Para a coordenadora estadual da Delegacia da Mulher, Kazumi Tanaka, a audiência foi fundamental para que a mulher entenda que a violência doméstica não é normal. “O poder público está mobilizado para transformar essa realidade, para que cada vez mais as mulheres sejam estimuladas a buscar os mecanismos que possam atendê-las. Quanto mais nós discutimos a violência contra a mulher, seja física ou psicológica, maior o número de denúncias que chega às delegacias. Com isso, conseguimos iniciar o processo de transformação de vidas”, frisou.

De acordo com a secretária estadual da Mulher, Terezinha Fernandes, os casos de violência contra mulher ainda acontecem rotineiramente no Maranhão. “Temos que reduzir o índice de feminicídio em nosso estado. O Governo está empenhado na realização de debates, ampliação das delegacias especializadas para mulheres e capacitação com objetivo de sanar a violência contra mulher, e alavancar direitos essenciais”, relatou.

O prefeito da cidade, Anderson Wilker, destacou que a audiência realizada na Câmara Municipal é uma homenagem à presença da mulher no município. “Neste ano, resolvemos debater a política do direito da mulher e o combate à violência com a realização desta audiência. Estamos alertando as mulheres da nossa cidade para que denunciem agressões e lutem a cada dia mais pelos seus direitos. O Departamento da Mulher tem realizado acompanhamentos com psicólogos, assistentes sociais, além de toda equipe para que a mulher seja valorizada ainda mais em Alcântara”, exclamou.

A audiência pública também foi realizada em protesto contra o desaparecimento de Alexandrina Garcia em novembro do ano passado. O esposo é o principal suspeito do sumiço de Alexandrina. A Delegacia de Alcântara e a Delegacia da Mulher estão investigando o caso. Após protestos dos moradores, o marido teve a prisão preventiva decretada, mas foi liberado por falta de provas.

Participaram da audiência autoridades estaduais, municipais, lideranças, secretários e sociedade civil.

Texto: Tarcísio Brandão

Audiência pública de autoria da vereadora Fátima Araújo discutiu “Os Direitos Limitados da Mulher” na sociedade

COMPARTILHE

Com o tema: “Os Direitos Limitados da Mulher”, a vereadora Fátima Araújo (PCdoB) usou a palavra na abertura da sessão para lembrar a luta da mulher na sociedade. Para iniciar sua fala, a vereadora enumerou as conquistas, e a partir de quando a mulher começou ganhar seu espaço. Em seu pronunciamento a Pequena Guerreira falou do voto da mulher, das oportunidades na política, do mercado de trabalho e destacou o poder de força do sexo feminino, visto por muitos como frágil.

Para dar mais ênfase no debate, Fátima Araújo destacou a violência contra as mulheres no Brasil, principalmente no Maranhão e citou nomes como da vereadora carioca Mariele Franco, morta na semana passada no centro do Rio de Janeiro, da publicitária Mariana Costa, violentada e morta pelo cunhado dentro da própria casa, da menina Alanna Ludimilla, violentada e morta pelo padrasto no município de Paço do Lumiar, além de outros casos até chegar ao nome da Maria da Penha, que originou a lei Nº 11.340/2006.

A Secretária de Estado da Mulher, Terezinha Fernandes, também esteve presente e destacou os avanços da mulher na gestão do governador Flávio Dino, mas se mostrou indignada com a violência que assola as mulheres no mundo. “Nós estamos avançando sobremaneira. Nesses últimos 50 anos a gente foi para rua dizer que não queremos mais ser tratadas como ser inferior. Nós temos diferenças, mas isso não significa dizer que somos inferiores. Mas isso não nos torna inferiores ou frágeis como falam. O Brasil é o 5º país do mundo que pior trata suas mulheres, e o Maranhão infelizmente está no topo como o pior estado. Em 2017 foi entregue a Casa da Mulher Brasileira, com plantão de uma delegacia especializada funcionando 24h. Isso nos mostra o quanto a violência é grande no Maranhão. Estamos atendendo em média 600 mulheres por mês”, destacou a secretária.

Para a Maria de Jesus Castro Reis, Membro da Comissão da Mulher na OAB-MA, destacou a importância da Lei Maria da Penha para combater a violência no Brasil. “Estou lutando há tempo para aprovar um projeto de lei e peço ajuda da vereadora Fátima Araújo para ela possa tentar essa aprovação junto aos seus pares na Câmara Municipal, desse projeto, que vai obrigar a Lei Maria da Penha, entrar na grade curricular das escolas municipais e estaduais, como disciplina escolar. Essa lei é uma dedicação a uma mulher que foi violentada pelo marido e escapou da morte duas vezes. Sabemos que algum dia alguém já foi violento, mas isso só será possível evitar através da educação, do conhecimento e do respeito. As pessoas precisam ser educadas, e com a lei Maria da Penha nas escolas, isso mais melhorar a cultura da violência contra mulheres”, disse Jesus, que deixou o número do Disque Assédio (99109-2449).

Para finalizar o Sargento Wagner Santos, Comandante da Patrulha Maria da Pena, destacou o trabalho realizado desde 2016 em São Luís e Imperatriz. “Temos projetos para levar a Patrulha Maria da Penha para outros municípios. A Patrulha funciona sempre com várias policiais femininas para dar mais tranquilidade à vítima. Para a mulher ter acesso ao serviço da Patrulha da Maria da Pena, ela precisa se cadastrar na Casa da Mulher Brasileira. Após o registro, nossa equipe vai até a residência da vítima imediatamente. Em um ano de trabalho já colocamos aproximadamente 30 agressores para o Presídio de Pedrinhas. Com a Patrulha, a vítima tem nosso acompanhamento para qualquer lugar”, destacou o Sargento que fez referência a Mariele Franco e Anderson Gomes mortos no Rio de Janeiro.

Estiveram presentes os vereadores Francisco Carvalho (que presidiu a audiência) e Cezar Bombeiro, Loudes Leitão (Conselheira do Fórum Maranhense de Mulheres, Vânia Marta de Albuquerque de Oliveira (Coordenadora Municipal de Mulher de São Luís), Secretária Municipal Sônia Barros (primeira coordenadora da mulher em São Luís), lideranças comunitárias, representantes de classes e comunidade em geral.

Fotos: Edilson Gomes

 

Prefeitura de Alcântara vai realizar Audiência Pública nesta segunda-feira (26) na Câmara Municipal de Vereadores

COMPARTILHE

No mês em que é comemorado o Dia Internacional da Mulher, a Prefeitura de Alcântara, por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, Mulher e Igualdade Racial, vai realizar uma audiência pública para debater os direitos da mulher, incluindo o combate à violência. O encontro será aberto a população alcantarense.

A Audiência Pública terá como Tema: “A Cultura da Paz começa em casa.O Fim da Violência Doméstica Também“, o evento contará com presenças confirmadas da delegada Regional Drª Kazumi Tanaka e da Secretária do Estado da Mulher, Terezinha Fernandes, além de autoridades municipais e estaduais radicadas na cidade histórica, como Juiz, Promotora, Defensor e Delegado.

Como forma de comemoração do Dia Internacional da Mulher, que aconteceu em 8 de março, a secretária de Desenvolvimento Social, Mulher e Igualdade Racial, Menca Pinho, preferiu reunir autoridades do Maranhão e alcantarenses, além da comunidade em geral para debater temas de interesse à mulher. Toda população alcantarense está convidada a participar deste grande ato.

 

O QUÊ? Audiência Pública

QUANDO? Segunda-feira, dia 26 de março

ONDE? Câmara Municipal de Vereadores de Alcântara
HORÁRIO? 9h da manhã

 

Vereadora Fátima Araújo vai realizar audiência Pública nesta sexta-feira (23) na Câmara

COMPARTILHE

A vereadora de São Luís, Fátima Araújo (PCdoB) vai realizar audiência pública nesta sexta-feira (23) no Plenário Simão Estácio da Silveira, no Palácio Pedro Neiva de Santana, sede da Câmara Municipal de São Luís, localizada na Rua da Estrela, no Reviver, Centro da Capital Maranhense. Com o tema: “Os Direitos Limitados da Mulher”, a parlamentar vai contar com várias autoridades e especialistas que vão abordar e debater com o público presente.

Durante a audiência subtemas como luta por direito, a luta pela equidade de gênero, feminicídio, enfrentamento da violência, a mulher no mercado de trabalho (no que se refere a oportunidades e salários), a mulher na política e outras pautas que podem surgir no decorrer do debate, que promete reunir grande número de mulheres da capital maranhense.

Entre as convidadas estão Ana Paula Lobato (Presidente do Grupo de Esposas de Deputados Estaduais do Maranhão – GEDEMA), Thaís Campos (Presidente da União de Brasileiras do Maranhão – UBM), Suzan Lucena (Secretária Adjunta da Mulher/Diretora da Casa da Mulher Brasileira), Vânia Marta (Coordenadora Municipal da Mulher), Drª Selma Martins (Promotora de Justiça em Defesa da Mulher), Drª Helena Lúcia Heluy (Juíza da 2ª Vara da Mulher), Lindevânia de Jesus Martins Silva,  Drª Wanda Moura Leite, Drª Uthânia Vanderlene Reis Moreira Lima Gonçalves, Profª Lourdes Leitão (Fórum Maranhense de Mulheres), Thiago Roberto Moraes Diaz (Presidente da OAB-MA) e Viviane Azambuja (Delegada de Polícia Civil e Coordenadora do Departamento de Feminicídio).

QUANDO? Sexta-feira (23)

O QUÊ? Audiência pública sobre o direito da mulher

ONDE? Câmara Municipal de São Luís

HORÁRIO? 10h

 

 

Câmara aprova pedido do Vereador Cézar Bombeiro para audiência pública sobre Escolas Comunitárias

COMPARTILHE

O vereador Cézar Bombeiro (PSD) vai levar para debate em audiência pública no plenário da Câmara Municipal de São Luís, problemas sérios e angustiantes relacionados as escolas comunitárias. Elas são referências da primeira escola de milhares de crianças e mais precisamente nas comunidades mais pobres e até mesmo excluídas. A data de audiência pública ainda não está definida.

Em inúmeros bairros, as escolas comunitárias acabam também absorvendo creches e acabam não conseguindo atender nenhuma das duas demandas, diz o vereador Cézar Bombeiro, pela sua larga experiência comunitária em dezenas de bairros de São Luís. A minha preocupação como vereador e muito mais como cidadão é que necessário se torna a oferta digna de escolas para a infância, se pensando em construir crianças, jovens, adolescentes e adultos em cidadãos de bem pela educação, daí é que eu acredito em transformação social a partir da infância, diz o vereador.

Sei que existem boas escolas comunitárias e que precisam de apoio e até mesmo parceria com o poder público para que possam oferecer ensino de qualidade a crianças e adolescentes. Tem muitas propostas boas e muita gente se disponibilizando para contribuir com as escolas comunitárias, o que com certeza deve ser objeto de discussão na audiência pública, fala Cézar Bombeiro.

Se conseguirmos melhorar consideravelmente as escolas comunitárias com o acompanhamento do poder público e de outras instituições para evitar clientelismo, e que elas não se transformem em instrumento de interesses de pessoas, sem qualquer compromisso com as crianças quanto a educação. É possível, daí que um debate será bem importante, afirma o vereador do PSD.

Texto: Da Assessoria do Vereador

Responsive WordPress Theme Freetheme wordpress magazine responsive freetheme wordpress news responsive freeWORDPRESS PLUGIN PREMIUM FREEDownload theme free