casa » 2017 » maio

Arquivos Mensais: maio 2017

Flávio Dino reúne com Vereadores e Vereadoras de todo Maranhão

COMPARTILHE

Em um encontro amplo, reunindo mais de 1.100 representantes das Câmaras Municipais de 194 municípios maranhenses, na tarde desta terça-feira (30), a atual gestão do Governo do Estado marca mais um ineditismo na condução do Maranhão.

No Encontro com Vereadores e Vereadoras, organizado pela Secretaria de Estado da Comunicação e Assuntos Políticos (Secap), o governador Flávio Dino e os secretários de Estado puderam conversar com os legisladores municipais, num diálogo direto e articulado para, em conjunto, estabelecer ações integradas para melhorar a qualidade de vida da população de todo o Maranhão.

O evento, que contou com a parceria do Instituto Brasileiro de Administração Municipal (Ibam), da Federação dos Municípios do Maranhão (Famem) e da Assembleia Legislativa do Estado do Maranhão (Alema), teve como tema ‘Cidades com desenvolvimento econômico, social e ambiental’ e colocou em pauta questões como licenciamento para gestão ambiental e de recursos hídricos e prestação de contas das Câmaras Municipais.

O governador Flávio Dino ministrou a palestra magna sobre o desenvolvimento econômico, social e ambiental das cidades e destacou a importância do diálogo direto com os parlamentares municipais.  “Estamos conversando com lideranças municipais para alcançar os políticos mais próximos do dia a dia do cidadão, os que democraticamente representam os interesses fundamentais do povo”, disse o governador.

Ele completou que este é o segundo evento desta natureza realizado na atual gestão e enfatizou que tal evento objetiva o diálogo para mostrar como o governo do Maranhão tem agido, não obstante uma aguda crise política e econômica, para garantir a continuidade dos serviços públicos, a sua ampliação e como é feito o trabalho em parceria com os municípios, “uma vez que os vereadores são fundamentais para, de um lado, implementar essas políticas públicas, e, de outro, para fiscalizar a boa aplicação dos recursos públicos, e, com isso, garantir que esses benefícios, esses direitos, cheguem ao maior número de lares maranhenses”, concluiu o governador.

Para o secretário de Estado da Comunicação e Assuntos Políticos, Márcio Jerry, o encontro é importante para debater o tema proposto, mas, mais do que isso, para estreitar a relação entre o Executivo Estadual e os legislativos municipais, de modo a impulsionar a transformação no Maranhão.

“O governador Flávio Dino, já no seu primeiro ano de mandato, em 2015, oportunizou um evento como esse, mas um pouco mais restrito às cidades que estão dentro da Amazônia Legal. E, agora, um novo encontro, alargando para todos os municípios do Maranhão com temáticas importantes, mas, sobretudo, com o objetivo muito claro que é o de mostrar o respeito que tem pelo legislativo municipal, a valorização pelo papel dos parlamentares. A gente precisa, neste momento de crise, dar as mãos, agir de maneira integrada, complementar, para que a gente possa atravessar esse momento alcançado melhores resultados na aplicação das políticas públicas”, destacou Marcio Jerry.

Os vereadores estão na ponta, lidando com demandas e necessidade da população de perto. O presidente da Federação dos Municípios do Estado do Maranhão (Famem) e prefeito de Tuntum, Cleomar Tema, considera que, por isso, é tão essencial esse diálogo. “É um momento de aproximação, é a união de força. Sabemos que o vereador tem uma importância fundamental, é o político mais próximo do cidadão, é ele que traz os problemas que passa o cidadão, na sua comunidade e no seu bairro. Por isso é um grande momento”, defende.

Aprovação

Durante todo o evento, os legisladores municipais também puderam tirar dúvidas sobre programas e ações de Governo nos stands das secretarias estaduais, participaram de palestras e debates. A iniciativa foi aprovada pelo vereador Carlos Hermes, de Imperatriz. Para ele, criou-se um momento de compartilhamento de ideias, de socializar as experiências e de aproximar mais. Segundo Hermes, são os vereadores que estão nos municípios, e que de fato conhece os problemas locais e agora encontram soluções de forma conjunta.

São, o que chama o presidente da Câmara de Apicum Açu, José Gilson Pacotinho, de “para-choques”. “É muito válido esse encontro, porque é a gente que lida direto com o povo, nós que somos os para-choques, é importante o governador nos ouvir”.

Já o vereador Raimundo Penha, de São Luís, destacou o caráter inédito da atual gestão. “Para nós é extremamente positivo por ser uma ação inédita. Acredito que é o primeiro Governo no estado do Maranhão que chama abertamente todos os legislativos. E a grande missão vai, primeiro, promover um intercâmbio entre nós, vereadores, e uma aproximação nossa com o Governo do Estado”, pontuou o parlamentar.

O evento integra o Termo de Cooperação Institucional firmando entre o Governo do Maranhão e o Ibam, para implantar o Programa de Qualificação da Gestão Ambiental nos 102 municípios que compõe o Bioma da Amazônia.

O termo prevê a apresentação do Plano Estadual de Meio Ambiente, além de garantir capacitação e assessoria jurídica em gestão ambiental aos municípios. Este foi o segundo encontro ampliado do governador com representantes municipais em pouco mais de dois anos. Em 2015, Flávio Dino esteve reunido com 125 vereadores e vereadoras, 29 assessores e 27 profissionais de outras instituições, que representavam 58 dos 102 municípios integrantes do Bioma Amazônia. Este ano, o Governo do Estado resolveu estender o diálogo para os demais municípios maranhenses.

Segundo a diretora da Escola Nacional Serviços Urbanos do Ibam (Instituto Brasileiro de Administração Municipal), Tereza Cristina Baratta, o Encontrou foi fundamental para “promover o diálogo das Câmaras em apoio à expansão das atividades na área ambiental”. Ela acrescentou que o instituto está à disposição dos vereadores para estreitar o contato e estimular a participação de todas as cidades. Tereza avaliou que o evento abriu oportunidades para debater políticas mais sustentáveis.

“Esse caminho não é fácil”, acrescentou, referindo-se às dificuldades políticas e econômicas que o Brasil vive no momento atual.Segundo ela, a união de esforços pode ajudar a superar essas dificuldades. As parcerias, ressaltou, são uma contribuição essencial dada pelo Ibam. Ela lembrou que, desde 2015, o instituto mantém parceria com o Estado, oferecendo capacitação, orientações e auxílio.

Estiveram presentes, além dos secretários de Estado, os deputados federais Weverton Rocha e Waldir Maranhão, os deputados estaduais Othelino Neto, Ana do Gás, Raimundo Loiro, Levi Pontes e o auditor estadual de Controle Externo, Clésio Santana.

 

Fé e Devoção movimentam a Festa do Divino Espírito Santo em Alcântara-MA

COMPARTILHE

Uma tradição secular marca uma das mais tradicionais festas religiosas do país, a Festa do Divino, em Alcântara Maranhão, preparada com pelo menos um ano de antecedência pelos moradores da cidade. Com a intenção de preservar essa expressão da identidade do povo maranhense e fortalecer o turismo da região, o secretário de Estado da Cultura e Turismo, Diego Galdino, e o Secretário de Estado da Educação, Felipe Camarão; estiveram na cidade de Alcântara na última sexta-feira (26) representando o Governo do Maranhão, que mais um ano apoia o evento garantindo o cumprimento do calendário religioso e popular da cidade histórica.

Iniciada na quarta-feira (24), a festa do Divino Espírito Santo acontece durante 12 dias, enchendo as ruas antigas e os casarões de Alcântara de alegria, diversidade cultural e turistas; em especial pela peculiaridade que a distingue de outras festas, a presença marcante das caixeiras que tocam e cantam contagiando todas as pessoas que acompanham os cortejos.

Para o secretário de Estado da Cultura e Turismo, Diego Galdino, a Festa do divino Espírito Santo é um valioso patrimônio cultural e como tal precisa ser preservado e renovado. “A maravilha da festa está justamente na simbologia de cada rito e na tradição. A comunidade toda se mobiliza para a festa, passando os ensinamentos para as próximas gerações. Vamos trabalhar para preservar e difundir esse maravilhoso patrimônio do Maranhão” – garantiu.

O prefeito de Alcântara, Anderson Wilker (PCdoB), comemora o desenvolvimento que a festa leva para a cidade, o que é reforçado pela parceria com o Governo do Maranhão. “Em nome do povo de Alcântara agradeço ao governador Flávio Dino e toda a sua equipe, que tem colaborado muito com o nosso município. Essa parceria é fortalecida durante a Festa do Divino, que movimenta a cidade e aquece a nossa economia”, pontuou o gestor municipal.

Para a Secretária Municipal de Cultura e Turismo, o festejo fortalece a tradição cultural e religiosa da cidade. “A comunidade prepara a festa e nós do poder público ajudamos na divulgação, e apoiamos todo festejo. A secretaria de cultura está apoiando desde que assumimos a gestão do município em janeiro e o prefeito Anderson tem dado todo suporte necessário para o festejo seja cada vez melhor e traga muito mais turistas para nossa cidade” – destacou Marcelina Serrão.

Até o dia 4 de junho, quando encerra o evento, Alcântara é tomada pelo clima das festividades, o que inclui a realização de missas, hasteamento de mastros, ladainhas, alvoradas das caixeiras e cortejos que percorrem ruas, ladeiras, becos e a casa dos moradores do município. Um dos pontos altos da festa acontece no salão nobre do Palácio Imperial de Alcântara, local onde é montado um altar para apresentação dos membros da corte.

A FESTA RELIGIOSA

No Maranhão, a cidade histórica de Alcântara abriga uma das maiores festas do Divino Espírito Santo. Com cortejos e rituais ricos em arte, roupas, canto, dança e culinária, a festa é acima de tudo uma experiência de resistência e força da comunidade.

As caixeiras constituem elemento imprescindível e típico da festa do Divino no Maranhão. São senhoras idosas com o encargo de tocar caixas e entoar cânticos, repetidos de cor ou improvisados, em louvor ao Divino Espírito Santo.

Originária dos colonos açorianos e seus descendentes, os festejos em Alcântara reproduzem os costumes de uma corte imperial, formada por cinco a dez ou mais crianças, na faixa etária entre 4 a 14 anos, vestidas com roupas de época, usando trajes da corte de imperadores e mordomos, com seus respectivos símbolos, como coroa, tiaras, cetro e outros.

A Festa, realizada em diversas cidades do país, acontece no domingo de Pentecostes, 50 dias depois da Páscoa, e comemora a vinda do Espírito Santo que anunciou a ressurreição de Jesus Cristo.

 

Weverton Rocha: O novo Imperador da Comunicação do Maranhão

COMPARTILHE

Comunicação bomba suja no Maranhão!

POR JORNAL VIAS DE FATO – No último dia 7 de maio, o Jornal Pequeno publicou uma matéria, com chamada de primeira página, onde está dito que Flávio Dino, segundo uma pesquisa que teria sido feita pelo site G1, seria hoje um dos dois governadores do Brasil que tem mais “promessas de campanha total ou parcialmente cumpridas”. Ao observar esta pesquisa, perguntamos como estaria a avaliação do atual governador maranhense no que se refere à Comunicação Social, uma área fundamental para a democratização do Estado e o rompimento da estrutura oligárquica.

Logo depois que Flávio Dino se elegeu governador do Maranhão, em novembro de 2014, antes de tomar posse, ele deu uma entrevista ao programa Observatório da Imprensa (TV Brasil), onde afirmou que pretendia conduzir a comunicação do seu governo “de maneira profundamente democrática”, com “apoio a outras redes de comunicação”, porque este seria “o modo de autenticamente romper com a oligarquia,” de “alterar uma cultura política”. Segundo Flávio Dino, nesta mesma entrevista, seu governo faria com que, em relação à comunicação, o poder fosse fracionado, pertencendo ao cidadão. Ao governo caberia “facilitar, possibilitar, ativar, estimular, para horizontalizar as relações de poder”, fundando uma “nova institucionalidade”. Em agosto de 2013, no 5º Congresso Estadual de Rádios Comunitárias do Maranhão, ainda na fase de pré-campanha eleitoral, o mesmo Flávio Dino, ao falar de mídia, disse que “é necessário reverter esse modelo que hoje concentra renda e poder. Uma comunicação democrática fortalece a sociedade, pois as vozes dos excluídos, dos invisíveis, dos esquecidos podem e devem ser ouvidas”. Esta declaração foi reproduzida no site oficial do PCdoB, o Portal Vermelho. Todo esse discurso foi muito bonito e sua avaliação, na época, oscilou desde o otimismo exagerado de uns, até o ceticismo absoluto de outros.

A questão hoje, em 2017, é medir o fosso que separa as palavras da campanha de Flávio das ações do atual governo. É saber se, em relação à comunicação, o governador está cumprindo com suas promessas. Se ele deu passos no sentido de democratizar a mídia no Maranhão.

A Policia Federal revelou, no dia 21 de março de 2017, uma investigação que envolve um servidor da própria PF (que estava exercendo cargo de secretário-adjunto no governo estadual) e um grupo de editores de blogs, suspeitos de estarem extorquindo dinheiro de políticos e empresários. O caso repercutiu e suscitou várias opiniões sobre um antigo modo de (não) fazer jornalismo, baseado em chantagens e no velho jabá (a propina, no jargão da imprensa). No meio das notícias e pedidos de prisão, mesmo que venha a ser comprovado algum delito, esses blogueiros nos parecem peixes menores, se comparados aos poderosos tubarões da mídia maranhense, os velhos e os novos.
Sobre esse assunto ligado à mídia maranhense, no dia 1º de janeiro deste ano de 2017, o atual governador do Maranhão, Flávio Dino, publicou artigo no Jornal Pequeno prestando contas do seu mandato. Nesse texto ele diz: “Estamos também mostrando ao país que nós repudiamos a imagem de falcatruas que tanto mancharam nosso passado, por força de uma elite que sugou os recursos do Estado para construir impérios de mídia e fortunas pessoais inimagináveis, que mantêm sucessivas gerações sem trabalhar, vivendo só de heranças”.

A afirmação do governador nos remete a uma outra investigação da Polícia Federal, quando a mesma afirmou, em inquérito aberto na década passada, que o empresário Fernando Sarney, o homem que comanda o Sistema Mirante de Comunicação, seria “chefe de uma organização criminosa”. Na época, o assunto repercutiu nos quatro cantos do Brasil, mas Fernando Sarney conseguiu escapar de condenação judicial e não passou pelo constrangimento de um pedido de prisão. Roseana Sarney foi governadora do Maranhão quatro vezes. Nesse período, o governo do Estado repassou rios de dinheiro para a Mirante, o sistema de comunicação que reúne empresas da família de Sarney. A montagem desse sistema iniciou no começo da década de 1970, quando Sarney já era um ex-governador e comprou o jornal O Dia, logo depois rebatizado de O Estado do Maranhão. Na década de 1980, surgem a Rádio e a TV Mirante. Em 1991, Sarney associa-se à Rede Globo e consolida a força do seu grupo midiático. Naquele ano de 1991, o SBT (que, até então, era transmitido pelo sinal da Mirante de Sarney) vinculou-se ao então governador Edison Lobão, através da TV Difusora, quando esta foi comprada por Edinho Lobão, que exercia a função de secretário particular do pai governador. A montagem desse arsenal midiático no Maranhão passou, sem dúvida, pela drenagem de recursos públicos, que abarrotaram os cofres da oligarquia, por intermédio de agências de propaganda, criando os “impérios de mídia”, citados no artigo de Flávio Dino. Em duas décadas, o Maranhão tornou-se o Estado brasileiro com maior concentração midiática, conforme atesta o trabalho apresentado, em 2002, na revista Caros Amigos, pelos pesquisadores Daniel Herz, Pedro Luiz Osorio e James Görgem. O título que apresentou a pesquisa foi: “Aqui a democracia não entra”.

Hoje, já em meados do terceiro ano do mandato do atual governador maranhense, o Sistema Mirante/Sarney recebe rotineiramente vários anúncios do governo estadual, muitos deles feitos em “horário nobre”, a peso de ouro. Além disso, a TV Difusora, de Lobão, devidamente patrocinada pelo mesmo governo do Estado, tornou-se porta voz do Palácio dos Leões, depois que passou a ser controlada, em 2016, pelo deputado federal Weverton Rocha (PDT), antigo dirigente da UMES, conhecido “pela obra” que (não) fez no ginásio Costa Rodrigues, por agir em favor de grileiros de terras e de madeireiros, contra os interesses do povo indígena Awá Guajá. Recentemente, no último dia 28 de março, este deputado tornou-se réu no Supremo Tribunal Federal, por conta da obra não realizada no Costa Rodrigues. O Ministério Público Federal lhe acusa de crimes “de violação à Lei de Licitações e peculato”. Quem representa Weverton na Difusora, após o acordo com Edinho Lobão, é o mordomo Zeca Pinheiro, o mesmo que foi secretário de comunicação do governo de Jackson Lago e, logo depois da morte do ex-governador, foi nomeado por José Sarney como assessor do Senado Federal. Aliado preferencial de Flávio Dino, Weverton Rocha, que hoje é uma espécie de dono do PDT, estaria planejando ocupar o lugar de Edison Lobão na política maranhense: ele quer ser senador da República e proprietário da TV Difusora. Se assim como Fernando Sarney ele conseguir escapar da Justiça, teremos no Maranhão um novo “imperador de mídia”? É isso mesmo? É a “nova” institucionalidade?

Segundo o Portal da Transparência do governo do Maranhão, somente em 2016, a Secretaria de Comunicação do Estado empenhou um total de R$ 91.950.417,16 (noventa e um milhões, novecentos e cinquenta mil, quatrocentos e dezessete reais e dezesseis centavos). Desse montante, já em 2016 foram pagos 55.107.100,04 (cinquenta e cinco milhões, cento e sete mil, cem reais e quatro centavos). Uma parte significativa desse recurso foi para agências de propaganda, entre elas a Clara, a Mallmann e a Eurofort. São essas agências que repassaram o dinheiro para os veículos de comunicação. Existe ainda um contrato de R$ 3.555.000,00 (três milhões, quinhentos e cinquenta e cinco mil reais) entre a EMAP, a empresa que administra o Porto do Itaqui e a baiana Leiaute Comunicação e Propaganda, que começou a vigorar desde junho de 2016. A contemplada foi a mesma que fez a propaganda eleitoral do governador nas eleições de 2014. Existe também um contrato com a Informe Comunicação, que atua nacionalmente na gestão da imagem do governador.

Aí vem outras perguntas: qual o critério dos gastos com propaganda? Quanto foi passado, exatamente, para as poderosas Mirante e Difusora? Existe uma absoluta transparência nessa relação que envolve muita grana e muitos interesses? Alguém ouviu a sociedade, a dona do dinheiro? Houve participação social? Foi feita uma única conferência estadual de comunicação? Foi lançado algum edital público, verdadeiramente inclusivo, que saia da lógica das agências? Foi dado algum passo em direção a uma “nova institucionalidade”? Houve um fortalecimento das “frações de poder”? Um desaparelhamento por parte do governo? Ou o padrão adotado por Flávio Dino, na comunicação, tem sido tradicional e atrasado? Um padrão inclusive autoritário?

Um aspecto de “modernidade” evidenciado na comunicação do atual governo maranhense é o uso sistemático (de certo modo ansioso, precipitado, sôfrego) das redes sociais, onde a argumentação política, em vários casos, foi substituída pela violência ou tentativa de desqualificação contra quem denuncia, critica ou pensa diferente do governo.

O artigo do governador, publicado no início deste ano, onde ele fala de uma “elite que sugou os recursos do estado”, através de “impérios de mídia” e “falcatruas”, montando “fortunas pessoais inimagináveis” é, nesse ponto específico, radicalmente verdadeiro. E antes desse artigo, ainda em 2014, o mesmo Flávio Dino já falava sobre o “direito humano à comunicação”, dizendo que para “romper com a oligarquia” era preciso “apoiar outras redes de comunicação”. Passaram-se mais de dois anos… Não faz sentido, então, o governo maranhense continuar financiando (com o dinheiro de um povo pobre!) uma elite que o próprio governador ainda crítica, denuncia e criminaliza. Ou faz sentido?

A audiência da Globo ou do SBT logo aparecerão como argumento dos interessados nesse tipo de negócio. Essa audiência justificaria a montanha de dinheiro público repassada para a Mirante (Sarney) e Difusora (Lobão/Weverton). Esse argumento, conservador, equivocado e/ou interesseiro, foi chamado de “poder ‘naturalizado’ da grande mídia”, denunciado pelo jornalista Altamiro Borges, no livro “A ditadura da mídia”, lançado em 2009, onde ele fala que num processo de democratização da sociedade brasileira é necessário um “reforço dos veículos alternativos”. O livro de Altamiro (atual secretário nacional de mídia do Comitê Central do PC do B) foi feito sob o clima da I Conferência Nacional de Comunicação, organizada pelo segundo governo Lula.

No que se refere a uma comunicação alternativa, idealizada para ser democrática e popular, temos hoje, no Maranhão, uma insatisfação do movimento estadual de rádios comunitárias. Afinal, existe alguma ação concreta, efetiva, no sentido de fortalecer essas rádios? Não estamos falando aqui de aparelhamento governista ou partidário. A pergunta é quanto a ações que possam garantir a autonomia das que são realmente comunitárias. Está sendo criado algum novo espaço público, verdadeiramente popular e anti-oligárquico? Ou tudo que temos é a tosca orquestração chapa branca? Foi fracionado o poder em favor do cidadão?

Alguns blogs locais também tem propagandas do governo Flávio Dino. Novamente vem a pergunta: qual o critério para a contratação desses espaços? O que se percebe é o alinhamento político evidente entre esses blogs e o atual governo. Esse é o critério? É fazer parte de um projeto de poder de um grupo político específico? Não superamos o antigo tripé Governo/VCR/AB Propaganda/Mirante?

Numa comparação com um passado recente, alguns podem argumentar que Flávio Dino não é dono de rádio, jornal ou TV. É verdade, mas a questão aqui é a relação do governo que ele comanda (e que prometeu mudanças) com todo um status quo e uma cultura política que ele sugere ao mundo que estaria enfrentando. Qual foi a mudança substantiva do modus operandi? No que se refere à mudança prometida por Flávio Dino, qual o sinal de criatividade ou inovação na área de comunicação? De uma efetiva democratização?

A antiga Rádio Timbira, por exemplo, de propriedade do Estado, foi sucateada pelos governos Roseana. O atual governo reativou essa emissora, que começou a se reerguer sob o comando do jornalista Ribamar Prazeres, profissional com reconhecida capacidade intelectual. De repente, agora, no início de março, o governo resolve mudar o diretor da rádio. Qual motivo? O afastamento de Prazeres coincidiu com a chegada de um novo secretário adjunto de comunicação (que “obrigou” um novo arranjo interno) e com uma parceria esdrúxula, bancada pelo comando do governo, feita entre a Rádio Timbira e a Rádio Difusora FM. Por que a Difusora? Qual a justificativa? É o poder de Weverton Rocha junto ao governo Flávio Dino? Então nós temos, realmente, um novo “imperador de mídias” no Maranhão? É isso governador? Ou a antiga Difusora de Lobão agora é paraestatal?

No último dia 22 de março, em meio ao enorme falatório em torno da ida do grupo de blogueiros maranhenses a Policia Federal, o jornalista Ed Wilson Araújo, professor do curso de Comunicação da Universidade Federal do Maranhão, perguntou, em seu blog, se “o Ministério Público e a Polícia Federal podem se interessar por esse fenômeno: de onde sai o dinheiro que paga o arrendamento do Sistema Difusora de Comunicação?”. O professor/comunicador lembra também que “emissoras de rádio e TV são concessões públicas e não podem ser arrendadas”. A provocação é válida, até para cobrar o serviço de quem deve fiscalizar e investigar.

No meio de tudo isso, a questão central é a necessidade de um debate sobre a comunicação, um tema tão importante num estado conhecido por sua brutal dominação oligárquica. São coisas que precisam ser debatidas de modo republicano, para usar uma expressão que o atual governador utilizou muito na campanha e no seu discurso de posse. Existem aí pontos fundamentais para que haja algum tipo de avanço. São eles:

(1) É importante fazer uma avaliação honesta, desapaixonada, independente e sem demagogia sobre as promessas de campanha de Flávio Dino para o setor de comunicação;

(2) A evidente necessidade de democratização da comunicação no Maranhão passa pela discussão do orçamento do estado para o setor. Passa por abrir essa velha “caixa preta”, que possibilitou a existência dos impérios de mídia;

(3) Existe a necessidade de transparência absoluta dos eternos gastos milionários do Estado com a propaganda. Aí entra a relação entre as agências e os veículos, sendo fundamental saber quem paga quem e quem recebe de quem. Quanto cada um paga (as agências) e quanto cada um recebe (os veículos). É preciso saber se, como nos velhos tempos, ainda tem agência no Maranhão atuando a serviço de um veículo específico, como lobista, testa de ferro ou sócio informal;

(4) É preciso um debate sobre quais os critérios para a escolha de todos os veículos onde são veiculadas as propagandas do governo, isto é, onde é investido o dinheiro público, o dinheiro do cidadão. Isso inclui rádio, jornal, TV, busdoor, todos os espaços na internet. Nesse ponto a transparência tem que ser total! Tem que ter uma lista mensal com todos os veículos que recebem e quanto eles recebem.

(5) É importante dar consequência política à afirmação do atual governador relativa a repudiar “falcatruas”, promovidas por “uma elite” que “sugou os recursos do estado”, construindo “impérios de mídia” e “fortunas inimagináveis”.

Quem se habilita a debater essas questões? Quais os setores da sociedade civil? Quais os setores da mídia? Quem tem autonomia? O Ministério Público, como sugeriu Ed Wilson? Alguém na Assembleia Legislativa teria independência para isso? Ou esse vai ser mais um assunto fantasma? O deputado estadual Eduardo Braide, por exemplo, na eleição municipal, falou dos gastos excessivos de Holanda Junior com propaganda. E os gastos do governo estadual? Qual o ganho da sociedade com esse investimento midiático? Hoje, o nível do “debate” é muito baixo. Este ano, o senador Roberto Rocha (eleito pelas mãos de Flávio Dino) disse, nas redes sociais, que o atual governador tem “financiado o comunismo internacional”. É pacóvia pura! Sobre os ganhos de Fernando Sarney e os negócios entre Edinho Lobão e Weverton, “o senador da mudança”, outro que é dono de empresas de rádio e TV, não dá um pio. A verdade é que um senador oligárquico não tem autoridade para debater comunicação pública.

E finalizando essa nossa conversa, caro leitor, lembramos que no final de 2016, o professor e cientista político Flávio Reis fez um longo e bem alinhavado texto, analisando a atual conjuntura do Maranhão, a partir de artigos e entrevistas do historiador Wagner Cabral da Costa (leia no www.viasdefato.jor.br). Nesse texto, Flavio Reis diz que “a promessa de ´republicanizar` o estado parece não ter passado do discurso de posse do governador”. O cientista político cita um artigo de Wagner de 2009, onde o historiador trata da “bomba suja” na política maranhense. A expressão “bomba suja”, utilizada por Wagner há oito anos, é uma metáfora interessante, pois remete à contaminação (sujeira) de um ambiente político. O historiador argumenta que “a bomba suja sempre esteve presente enquanto dado estrutural” no Maranhão. A milionária mídia local tornou-se instrumento fundamental para a detonação dessa bomba.

Mexer na comunicação maranhense e sua relação umbilical com as verbas públicas, é mexer na estrutura oligárquica, como foi dito por Flávio Dino, em 2014, no Observatório da Imprensa. A questão é saber: Quem quer abrir mão da sujeira? Quem quer, verdadeiramente, romper com uma estrutura? Quem quer, sem demagogia, a mudança de uma cultura política? Qual o governo que quer, de fato, empoderar a sociedade? Qual governo quer fortalecê-la diante de conflitos permanentes com uma elite que se cria a partir de sua capacidade de parasitar o Estado?

POR JORNAL VIAS DE FATO (Editorial da 66º edição do Jornal Vias de Fato (maio/2017).

Feirantes de Bequimão são remanejados para o Mercado do Peixe

COMPARTILHE

A partir desta segunda-feira (29), os feirantes de Bequimão começaram a trabalhar no Mercado do Peixe, local mais adequado para a comercialização de alimentos. Os ambulantes foram remanejados da Avenida Antônio Dino para o mercado, cumprindo acordo celebrado entre feirantes, Ministério Público e Prefeitura Municipal de Bequimão, em audiência pública realizada no dia 24 de maio.

A venda de carnes, frangos e peixes, passou a ser feita nos boxes dentro do mercado municipal. Para alguns feirantes que comercializam hortaliças, as banquinhas da Feira da Agricultura Familiar foram organizadas na praça que fica em frente.

Em até 90 dias, a administração do prefeito Zé Martins deve entregar o novo Mercado Municipal, Avenida Antônio Dino.

 

 

Prefeitura de Alcântara paga servidores nesta quarta-feira (31)

COMPARTILHE

A prefeitura municipal de Alcântara vai pagar nesta quarta-feira (31), os salários dos servidores referentes ao mês de maio. Para os funcionários efetivos os salários estarão em suas respectivas contas nesta quarta-feira. Já para os contratados os salários serão pagos na próxima sexta-feira, dia 2 de junho.

Com a antecipação do pagamento aos servidores municipais, o prefeito Anderson mantém a economia do município de Alcântara aquecida, em que o comércio local irá poder vender e fazer a circulação da moeda, gerando rentabilidade.

Com dinheiro na conta, os servidores municipais vão poder participar do encerramento do festejo do Divino que acontece neste final de semana, no Centro Histórico de Alcântara. Como forma de valorizar o servidor, o prefeito tem mantido os pagamentos em dia, desde que assumiu a gestão do município.

 

Secretaria de Agricultura de Alcântara entrega sementes de feijão em Oitiua

COMPARTILHE

A Secretaria Municipal Agricultura de Alcântara, por meio da Prefeitura, entregou no último sábado (27) na Comunidade Oitiua, mais de 600 quilos de sementes de feijão para plantio, beneficiando agricultores de aproximadamente 10 povoados vizinhos. Durante a entrega, o Secretário de Agricultura, Benedito Barbosa (Biné), fez uma explanação da importância da agricultura e o apoio da Prefeitura aos trabalhadores do campo. Biné destacou ainda, que além de plantar, o mais importante é colher os resultados.

Para a trabalhadora rural, Anaclam Silva Ribeiro, de 37 anos, moradora do povoado Oitiua, a distribuição de sementes ajuda bastante no aumento do cultivo. “Trabalho na agricultura desde jovem, e sempre planei feijão, milho, macaxeira, arroz, maxixe e quiabo. Agora espero ter apoio técnico da secretaria para melhorar ainda mais esse cultivo. O prefeito com o secretário tem boa vontade e queremos todo esse apoio esperado por anos” – descreveu a agricultora.

O prefeito Anderson aproveitou o momento para prestar contas com os moradores da região. “Além desta distribuição estou aproveitando para prestar contas com o povo, e dizer que estamos trabalhando para melhorar a vida dos alcantarenses. Estamos dando prioridade aos pontos mais críticos, como saúde e educação, mas estamos trabalhando em todos os setores da gestão, e aos poucos vamos organizando nosso município. Todos sabem como recebemos Alcântara. Estou trabalhando diuturnamente para que possamos falar com orgulho que somos alcantarenses. Estarei sempre à disposição da população; afinal fui eleito para servir ao povo” – destacou o prefeito de Alcântara.

Estiveram presentes na distribuição, o vereador Mário do Peru (SD), os diretores da agricultura, Tivico, Costa, Inácio e o engenheiro agrícola, Inacinho, além do professor Heliody Pereira, e lideranças comunitárias da região.

 

Ponte do Balandro está pronta para ser inaugurada

COMPARTILHE

A construção da Ponte do Balandro, uma das principais reivindicações do povo bequimãoense em relação à infraestrutura do município, já foi concluída. Para a obra, o Governo do Estado destinou R$ 2.965.364,00. A contrapartida da Prefeitura Municipal de Bequimão era fazer o aterramento das cabeças da ponte, trabalho que será finalizado ainda nesta semana.

Dezenas de caçambadas de piçarra também estão sendo colocadas para recuperar a estrada que dá acesso ao bairro do Balandro e aos povoados vizinhos. Com a construção da ponte sobre o Rio Itapetininga, serão beneficiadas, diretamente, milhares de pessoas do bairro que dá nome à ponte e dos povoados Santa Vitória, Barroso, Floresta, Santana, Centrinho de Santana, Juraraitá, Beirada, Cai-Cai, Iribuí, Itaputíua, Calhau, Ponta do Soares, Carrapicho e Sassuí, além de encurtar a distância para quem mora na região de Jacioca.

A lavradora Benedita Amorim Costa, de 37 anos, moradora da Comunidade Guaribal, região de Jacioca, utilizou a nova ponte e já percebeu as vantagens do trajeto mais curto. “Nem sempre temos dinheiro para pagar passagem de carro. Agora dá pra fazer esse caminho até de bicicleta. A gente entra no Barroso e atalha bastante. Até os donos de carros de passageiros vão passar a andar por aqui, tenho certeza”, disse, satisfeita.

A nova Ponte do Balandro mede 72 metros de comprimento e 12 metros de largura, com duas pistas para veículos e uma passarela de cada lado para pedestres. O ponto tem recebido a visita de muita gente, que busca registrar em fotografias a realização desse antigo sonho do município.

“Foram muitos esforços somados para que essa obra saísse. No começo da minha primeira administração, consegui junto ao então governo Roseana Sarney a retomada da obra. O financiamento foi viabilizado junto ao BNDES e a licitação aconteceu em 2014. No início de 2016, tive uma audiência com a secretária estadual das Cidades, Flávia Alexandrina, para solicitar o reinício das obras, que haviam sido interrompidas no final do ano anterior. Agora, o Governo do Estado finalizou o trabalho e quem mais ganha com isso é o povo de Bequimão”, ressaltou o prefeito Zé Martins.

Festa do Divino tem apoio do Governo do Estado e Prefeitura de Alcântara

COMPARTILHE

Um dos mais tradicionais festejos religiosos do Maranhão, o Divino Espírito Santo, realizado pela Comunidade Alcantarense, recebeu apoio do Governo do Maranhão e da Prefeitura Local. A festa em 2017 foi iniciada na última quarta-feira (24) e se estende até o dia 4 de junho.

O recurso, de acordo com o Secretário de Estado de Cultura e Turismo, Diego Galdino, traduz a preocupação do Governo do Maranhão com a preservação da cultura popular e a promoção do turismo. “Com esse investimento, garantimos a manutenção de um calendário regular de eventos culturais em nosso estado, onde valoriza e colabora com a perpetuação de um dos nossos maiores bens que é a nossa cultura, e atrai milhares de pessoas que, consigo, trazem toda uma movimentação para o turismo, gerando renda para os maranhenses”, disse o secretário.

A cidade de Alcântara será tomada pelo clima das festividades durante 12 dias, o que inclui a realização de missas, hasteamento do mastro, além dos cortejos que percorrem ruas, ladeiras, becos e a casa dos moradores do município. Um dos pontos altos da festa acontece no salão nobre do Palácio Imperial de Alcântara, local onde é montado um altar para apresentação dos membros da corte.

Para a Secretária Municipal de Cultura e Turismo, o momento é de resgate das tradições do município. “Resgatamos o carnaval e vimos a cidade lotada de turistas. Estamos fazendo um festejo ao nível da população alcantarense, cheio de brilho e felicidade. Após o Divino, temos o São João e iremos fazer o melhor festejo junino da história de Alcântara” – destacou Marcelina Serrão.

Já o Prefeito de Alcântara, destacou o apoio que vem recebendo para fazer um grande festejo religioso. “Graças à Deus o Governo do Estado e o deputado Othelino Neto estão ajudando o município a fazer uma festa para ficar na história de Alcântara. A comunidade organiza e a prefeitura através de seus parceiros ajuda no planejamento e execução da festa. O resultado está ai pra todos verem, um sucesso deste a abertura” – relatou Anderson Wilker.

HISTÓRIA
A Festa do Divino Espírito Santo de Alcântara é realizada desde o século XVI. A manifestação de fé e devoção – ao Espírito Santo que anunciou a ressurreição de Jesus Cristo –  celebra ainda os costumes da corte portuguesa, com personagens que representam o império. Para acontecer, são mais de mil pessoas envolvidas diretamente com a organização dos doze dias da festa. A população de entrega de Corpo & Alma e mostra sua fé através de sua manifestação religiosa.

SECULT

ASPCOM: Um sonho que se torna realidade!

COMPARTILHE

Radialista, jornalistas, publicitários e relações públicas se reuniram no fim da tarde deste (27), no auditório do Jornal O Imparcial, para ver um sonho se tornar real e sair do papel, o lançamento da Associação dos Profissionais de Comunicação do Maranhão – ASPCOM. A associação surgiu com a proposta de fortalecer a comunicação no estado por meio da valorização dos profissionais e união da classe.

No início do evento, o radialista Flávio Chocolate, mentor do projeto de criação da associação, falou os motivos pelo quais a ASPCOM foi fundada. O publicitário Rodrygo Vera Cruz apresentou a logo e mostrou o processo de fundamentação e criação da marca. O estatuto da instituição foi apresentado aos profissionais que estavam na reunião pela assistente social Cristina Monteiro.

Após as apresentações, os comunicadores elegeram a Mesa Diretora, que tem a responsabilidade expandir a associação nos primeiros anos.

Segundo Flávio Chocolate, eleito presidente da associação, a qualidade dos profissionais que compõe a ASPCOM é excelente, o que trouxe felicidade e motivação para continuar a luta por um sonho que passa a ser concreto. “O empenho e o compromisso são pontos que devem ser destacados. As pessoas que participaram da reunião contribuíram muito, deste a organização até o fim do evento. Esse tipo de atitude me faz acreditar que a associação dará voos altos, frisou o presidente.

A ASPCOM inicia as atividades com quatro bandeiras de trabalho: a catalogação um terreno público ocioso no perímetro urbano da cidade para a construção da sede social; realização de mutirão da saúde em parceria com órgãos públicos; uma audiência pública com empresários, poder públicos e os profissionais para discutir a situação do piso salarial; e a busca por um projeto de lei, tanto no âmbito municipal e estadual, obrigando a realização de concurso público para profissionais de comunicação.

Para o jornalista e coordenador financeiros da instituição, Tarcísio Brandão, a classe dos comunicadores necessita de estabilidade financeira e valorização profissional. “Estaremos unidos e vamos cobrar dos legislativos municipal e estadual, para que o projeto de lei que institui o concurso público para as profissões da comunicação seja protocolado e votado com máxima urgência”, destacou o coordenador.

Com o slogan “unir para comunicar mais”, a ASPCOM se torna uma instituição pioneira e que entra para história do Maranhão unindo radialistas, publicitários, jornalistas e relações públicas em um só propósito. O publicitário Rodrigo Veraz Cruz, eleito vice-presidente, destacou que a união vai trazer uma série de benefícios para os profissionais, tanto na valorização profissional, como no lazer e atenção social dos comunicadores e familiares.

O sentimento de alegria e satisfação era eminente no rosto de cada profissional que participou do nascimento da Associação dos Profissionais de Comunicação. O sonho se torna real e a Classe de Comunicadores entra para história, plantando a semente que dará belos frutos no futuro.

VIDA LONGA À ASPCOM!

VEJA COMO FICOU A DIRETORIA EXECUTIVA DA ASPCOM

 

CARGOS:

Presidente – Flavio Brito (Flávio Chocolate)

Vice- Presidente – Rodrygo Vera Cruz

Secretario Geral – Augusto Jr.

Segundo Secretário – Elisangela Silva

Coordenador Financeiro – Tarcisio Brandão

Segundo Coordenador Financeiro – Verislene Alves

Diretor de Operações – Isaias Rocha

Vice-diretor de Operações – Adilson Carlos

Diretor Cultural e de Comunicação social – Robson Júnior

Vice-diretor Cultural e de Comunicação social – Samir Ewerton

Diretor de Patrimônio – Vidal Neto

Vice-diretor de Patrimônio – Allan Albuquerque

Diretor Geral de Pólos – Adilson Sousa

Vice-diretor de Pólos – Raimundo Filho

COMISSÕES

Educação – Neuton César e Marcos Belfort

Esporte – Edu Santos, Ademar Monteiro, Gutemberg Silva e José Neto

Ação Social e Saúde – Isadora Alves,  Dalvana Mandes, Rodrigo, Mauro Garcia, Aniele Granjeiro

Eventos – Jorge Mamede, Ubiratan Cunha, Giovane Marcos

 

BLOG DO Tarcísio Brandão

Sancionada Lei do Vereador Cezar Bombeiro que institui o Dia do Bairro da Liberdade

COMPARTILHE

O prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Júnior (PDT), sancionou lei de autoria do vereador Cézar Bombeiro (PSD) que institui a data de 25 de maio como o “Dia do Bairro Liberdade”. A data faz alusão à fundação do bairro, que  surgiu em 1918 com a criação do antigo matadouro. Nessa época, o bairro tinha um único acesso por terra, chamado Campina do Matadouro, mas o principal meio de entrada era as embarcações.

Em 1918, foi firmado um contrato entre a Prefeitura de São luís e a Companhia Matadouro Modelo. O prazo do contrato era de 25 anos, contados da data de inauguração. Durante a vigência, o contratante teria “uso e gozo do estabelecimento com todos os ônus e vantagens pactuados”. Ao fim desse prazo, o matadouro passaria ao controle da prefeitura.

O antigo Matadouro do Município de São luís estava localizado no final da rua de São Pantaleão, nas proximidades da Praia da Madre Deus. Houve a confecção de relatório sanitário, que foi elaborado por Victor Godinho, que apontou as precárias condições do espaço ao intendente municipal Luis Torres.

Em 25 de maio do mesmo ano, Torre determinou a publicação da desapropriação, no Diário Oficial do Estado, do sítio Itamaracá pela importância de 10 contos de reis e a parte nordeste e sudeste do Sítio Baixinha para a construção do Matadouro Modelo, entre a Machado Cavalcante e uma construtora do Pará.

Portanto, a data de fundação da Liberdade é 25 de maio de 1918, quando houve a desapropriação. Dessa forma, o vereador Cezar Bombeiro tenta resgatar a história do bairro.

Este ano, a data será lembrada de forma comemorativa, com uma grande agenda e uma programação cultural com artistas locais, sexta-feira, dia 26. O ponto alto será a apresentação do Boi da Maioba, na Praça Mário Andreaza, marcada para as 20h.